sicnot

Perfil

António José Teixeira

De acordo em acordo até ao desastre final

Já não chegava o desgoverno de décadas, a Grécia prepara-se agora para sofrer a terceira penitência em cinco anos dos seus salvadores europeus. Dividida, humilhada, revoltada, agora resignada, travada pelo mêdo de males ainda maiores, não parece ter outro remédio senão vergar-se à protecção dos credores. Já muito dinheiro chegou e fugiu. Boa parte dos gregos não deram por ele. Mas sabem que, mesmo só o vendo fugir, é preciso que continue a correr. Ninguém sabe quando é que o deve se aproximará do haver. O que se sabe é que nem devedores nem credores querem que a circulação monetária se interrompa. É isso que os mantem ligados, mesmo que sem convicção.

Fora de horas, depois de muitas dissidências e uns petardos na rua, o Parlamento grego cumpriu o primeiro compromisso para com os credores. Já não há parceiros, Estados-membros, tão só credores e devedores. Pouco importam as contradições, se a oposição socorreu a situação, se a situação pareceu mais oposição, se o acordo aprovado é muito pior que a proposta reprovada, se os radicais se resignaram ou se os moderados se desacreditaram. Em Bruxelas e Atenas aprova-se aquilo em que não se acredita. Um engano, por unanimidade, em Bruxelas. Fel, por maioria, em Atenas. Esbanja-se perversidade. Solidariedade e empréstimo só com humilhação.

A Grécia tornou-se o saco de pancada europeu. Um saco sem fundo onde o dinheiro entra e sai sem nunca ganhar consistência. Bode expiatório da impotência, do desnorte e da irresolução europeias. Atenas é a imagem da decadência da outrora dominadora e sedutora Europa, como lhe chamou Eduardo Lourenço.

À medida que a Europa assume a disciplina alemã, tornando-se Europa alemã, mais a Grécia se torna uma nação pária, exemplo a não seguir, razão de sacifícios acrescidos. Contabilizam-se os euros derramados enquanto se ignora a eficácia da dieta. Já falhou duas vezes, falhará uma terceira. A cegueira é tão trágica como cruel. Como se fosse inevitável. A Grécia está intoxicada de euros. O euro tem sido a sua perdição. Pede

cada vez mais para dever cada vez mais. Se fosse possível, se ninguém notasse, se não precisássemos de fazer correr a moeda, fechava-se-lhe a porta. Mais tarde ou mais cedo, é isso que vai acontecer. E por iniciativa grega. A hipocrisia ditará que a Europa tudo fez para recuperar a Grécia, mas Atenas não quis...

Sejamos claros. A Europa terá mais a perder com a saída do que com a permanência da Grécia. Os sinais de fraqueza e fragmentação e os sentimentos de desconfiança e de ódio estão a fazer um caminho difícil de inverter. Já há demasiados naufragos e muros em construção, fronteiras de guerra nas nossas proximidades, terrorismo, ameaças imperiais... Quereremos acrescentar mais instabilidade?

Se alguém quiser ajudar a Grécia a recuperar, vale a pena concentrar-se no fundamental: reestruturação da dívida, reestabelecimento de canais de financiamento da economia, reorganização do Estado, nomeadamente da justiça e da fiscalidade. Racionalidade em vez de engano. Recuperação para pagar dívidas e evitar novos resgates. O euro não pode ser apenas uma vantagem alemã. Não queremos uma Europa alemã, mas uma Alemanha tão europeia como a Grécia.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.