sicnot

Perfil

António José Teixeira

De acordo em acordo até ao desastre final

Já não chegava o desgoverno de décadas, a Grécia prepara-se agora para sofrer a terceira penitência em cinco anos dos seus salvadores europeus. Dividida, humilhada, revoltada, agora resignada, travada pelo mêdo de males ainda maiores, não parece ter outro remédio senão vergar-se à protecção dos credores. Já muito dinheiro chegou e fugiu. Boa parte dos gregos não deram por ele. Mas sabem que, mesmo só o vendo fugir, é preciso que continue a correr. Ninguém sabe quando é que o deve se aproximará do haver. O que se sabe é que nem devedores nem credores querem que a circulação monetária se interrompa. É isso que os mantem ligados, mesmo que sem convicção.

Fora de horas, depois de muitas dissidências e uns petardos na rua, o Parlamento grego cumpriu o primeiro compromisso para com os credores. Já não há parceiros, Estados-membros, tão só credores e devedores. Pouco importam as contradições, se a oposição socorreu a situação, se a situação pareceu mais oposição, se o acordo aprovado é muito pior que a proposta reprovada, se os radicais se resignaram ou se os moderados se desacreditaram. Em Bruxelas e Atenas aprova-se aquilo em que não se acredita. Um engano, por unanimidade, em Bruxelas. Fel, por maioria, em Atenas. Esbanja-se perversidade. Solidariedade e empréstimo só com humilhação.

A Grécia tornou-se o saco de pancada europeu. Um saco sem fundo onde o dinheiro entra e sai sem nunca ganhar consistência. Bode expiatório da impotência, do desnorte e da irresolução europeias. Atenas é a imagem da decadência da outrora dominadora e sedutora Europa, como lhe chamou Eduardo Lourenço.

À medida que a Europa assume a disciplina alemã, tornando-se Europa alemã, mais a Grécia se torna uma nação pária, exemplo a não seguir, razão de sacifícios acrescidos. Contabilizam-se os euros derramados enquanto se ignora a eficácia da dieta. Já falhou duas vezes, falhará uma terceira. A cegueira é tão trágica como cruel. Como se fosse inevitável. A Grécia está intoxicada de euros. O euro tem sido a sua perdição. Pede

cada vez mais para dever cada vez mais. Se fosse possível, se ninguém notasse, se não precisássemos de fazer correr a moeda, fechava-se-lhe a porta. Mais tarde ou mais cedo, é isso que vai acontecer. E por iniciativa grega. A hipocrisia ditará que a Europa tudo fez para recuperar a Grécia, mas Atenas não quis...

Sejamos claros. A Europa terá mais a perder com a saída do que com a permanência da Grécia. Os sinais de fraqueza e fragmentação e os sentimentos de desconfiança e de ódio estão a fazer um caminho difícil de inverter. Já há demasiados naufragos e muros em construção, fronteiras de guerra nas nossas proximidades, terrorismo, ameaças imperiais... Quereremos acrescentar mais instabilidade?

Se alguém quiser ajudar a Grécia a recuperar, vale a pena concentrar-se no fundamental: reestruturação da dívida, reestabelecimento de canais de financiamento da economia, reorganização do Estado, nomeadamente da justiça e da fiscalidade. Racionalidade em vez de engano. Recuperação para pagar dívidas e evitar novos resgates. O euro não pode ser apenas uma vantagem alemã. Não queremos uma Europa alemã, mas uma Alemanha tão europeia como a Grécia.

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • FC Porto acusa Benfica de recorrer a serviços de "bruxaria"
    2:34

    Desporto

    Francisco J. Marques acusou o Benfica de recorrer a "bruxaria". O diretor de comunicação do FC Porto revelou uma troca de e-mails entre Luís Filipe Vieira e Armando Nhaga, suposto comissário nacional da polícia da Guiné-Bissau com a celebração de um contrato de prestação de serviços.

  • Francisco J. Marques promete continuar a revelar e-mails
    2:11

    Desporto

    Francisco J. Marques diz que a Polícia Judiciária sabe como o Futebol Clube do Porto teve acesso aos e-mails e desafia o Benfica a revelar os originais. O diretor de comunicação do clube portista revelou ainda que irá continuar a divulgar e-mails, já que isso não é incompatível com o segredo de Justiça.

  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.

  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Quem é a mulher que diz ser filha de Salvador Dalí

    Cultura

    Maria Pilar Abel Martínez nasceu em 1956 e será o alegado fruto de um caso entre a sua mãe e Salvador Dalí. Um tribunal de Madrid ordenou a exumação do cadáver do pintor e a obtenção de amostras, de modo a determinar se a mulher espanhola é mesmo filha de Dalí.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.