sicnot

Perfil

António José Teixeira

De acordo em acordo até ao desastre final

Já não chegava o desgoverno de décadas, a Grécia prepara-se agora para sofrer a terceira penitência em cinco anos dos seus salvadores europeus. Dividida, humilhada, revoltada, agora resignada, travada pelo mêdo de males ainda maiores, não parece ter outro remédio senão vergar-se à protecção dos credores. Já muito dinheiro chegou e fugiu. Boa parte dos gregos não deram por ele. Mas sabem que, mesmo só o vendo fugir, é preciso que continue a correr. Ninguém sabe quando é que o deve se aproximará do haver. O que se sabe é que nem devedores nem credores querem que a circulação monetária se interrompa. É isso que os mantem ligados, mesmo que sem convicção.

Fora de horas, depois de muitas dissidências e uns petardos na rua, o Parlamento grego cumpriu o primeiro compromisso para com os credores. Já não há parceiros, Estados-membros, tão só credores e devedores. Pouco importam as contradições, se a oposição socorreu a situação, se a situação pareceu mais oposição, se o acordo aprovado é muito pior que a proposta reprovada, se os radicais se resignaram ou se os moderados se desacreditaram. Em Bruxelas e Atenas aprova-se aquilo em que não se acredita. Um engano, por unanimidade, em Bruxelas. Fel, por maioria, em Atenas. Esbanja-se perversidade. Solidariedade e empréstimo só com humilhação.

A Grécia tornou-se o saco de pancada europeu. Um saco sem fundo onde o dinheiro entra e sai sem nunca ganhar consistência. Bode expiatório da impotência, do desnorte e da irresolução europeias. Atenas é a imagem da decadência da outrora dominadora e sedutora Europa, como lhe chamou Eduardo Lourenço.

À medida que a Europa assume a disciplina alemã, tornando-se Europa alemã, mais a Grécia se torna uma nação pária, exemplo a não seguir, razão de sacifícios acrescidos. Contabilizam-se os euros derramados enquanto se ignora a eficácia da dieta. Já falhou duas vezes, falhará uma terceira. A cegueira é tão trágica como cruel. Como se fosse inevitável. A Grécia está intoxicada de euros. O euro tem sido a sua perdição. Pede

cada vez mais para dever cada vez mais. Se fosse possível, se ninguém notasse, se não precisássemos de fazer correr a moeda, fechava-se-lhe a porta. Mais tarde ou mais cedo, é isso que vai acontecer. E por iniciativa grega. A hipocrisia ditará que a Europa tudo fez para recuperar a Grécia, mas Atenas não quis...

Sejamos claros. A Europa terá mais a perder com a saída do que com a permanência da Grécia. Os sinais de fraqueza e fragmentação e os sentimentos de desconfiança e de ódio estão a fazer um caminho difícil de inverter. Já há demasiados naufragos e muros em construção, fronteiras de guerra nas nossas proximidades, terrorismo, ameaças imperiais... Quereremos acrescentar mais instabilidade?

Se alguém quiser ajudar a Grécia a recuperar, vale a pena concentrar-se no fundamental: reestruturação da dívida, reestabelecimento de canais de financiamento da economia, reorganização do Estado, nomeadamente da justiça e da fiscalidade. Racionalidade em vez de engano. Recuperação para pagar dívidas e evitar novos resgates. O euro não pode ser apenas uma vantagem alemã. Não queremos uma Europa alemã, mas uma Alemanha tão europeia como a Grécia.

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.