sicnot

Perfil

Bernardo Ferrão

E Passos, tropeça na dança de Marcelo?

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

É indisfarçável. E só surpreende os mais desatentos. Passos e Marcelo andam de costas voltadas. A entrevista do líder do PSD ao SOL e a resposta do "dr. Rebelo de Sousa" – o episódio do "irradia felicidade" - foram a confirmação de que as coisas entre o Presidente "catavento" e o líder social-democrata não estão bem. A pergunta é: será que Passos sobrevive a Marcelo?

No discurso do 25 de Abril, o Presidente frisou que o seu mandato é, por natureza, "mais longo e mais sufragado do que os mandatos partidários", sublinhando que "não depende de eleições intercalares". O recado era também para Passos Coelho. Marcelo quis dizer-lhe: "habitue-se!".

Confesso que me custa a compreender a posição beligerante que Passos tem assumido contra Marcelo. Considero-a, do ponto de vista político, muito pouco sensata. Se Passos pretende colar Marcelo a António Costa (e às esquerdas) não só não o está a conseguir, como devia, em vez de atacar, aproveitar a onda e a crescente popularidade de Marcelo. Mas não, o líder social-democrata optou pela trincheira da sua coerência, à espera que a realidade lhe dê razão. Só que ao fazê-lo, fragiliza-se com o que diz mas também com as respostas prontas, e sorridentes, que ouviu de Marcelo.

É evidente que Passos não alinha com o Presidente. Mas é também evidente que a liderança social-democrata está num desalinho. Falta estratégia. Atira ao Presidente, mas cala-se nos debates com o primeiro-ministro. Mostra-se sem força anímica. Está retirado da arena da oposição, deixando-a quase em exclusivo para Assunção Cristas. Uma falta de comparência que António Costa aproveita o mais que pode. Dá gás a Cristas para diminuir Passos. Simples.

De há um mês para cá, Marcelo mudou ligeiramente o discurso. Sempre que comenta as questões da governação e as previsões económicas, o Presidente não só não se compromete como faz questão de passar o ónus para o Executivo: são eles que têm de provar. Passos devia ser o primeiro interessado em ter um Presidente independente e o mais fortalecido possível para quando chegar o momento do embate com o Governo – e esse momento vai chegar. Mas não, numa birra sem um racional que se perceba, Passos insiste em mostrar-se crispado, minando a relação com o Presidente, enervando o PSD, e permitindo que Costa explore uma espécie de bloco central entre Belém e São Bento.

Em 2014, numa entrevista que fiz a António Costa, o então presidente da câmara de Lisboa dizia que o seu grande adversário era Rui Rio – Passos era primeiro-ministro e líder do PSD e a intenção de Costa era fragilizá-lo. Ainda é cedo para dizer se Costa terá razão antes do tempo, mas no PSD já há alguns sinais de

incómodo com a liderança. Se estivesse tudo bem Maria Luís teria vindo pôr o dedo no ar? Andaria Luis Montenegro nos bastidores a sonhar com a sucessão? E será que se falava, como se voltou a falar, do nome de Rui Rio?

Por mais que tente sacudir a pressão, Passos sabe que a prova de fogo virá em outubro do próximo ano, nas autárquicas. Está nas suas mãos virar o jogo e decidir em que estado se quer apresentar a essas eleições. Até lá, pode não querer dançar com o Presidente, mas devia saber que as pedras que atira para Belém fazem ricochete e estão a faze-lo tropeçar. E por este andar não me parece que Marcelo lhe queira dar a mão.

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.