sicnot

Perfil

Bernardo Ferrão

E Passos, tropeça na dança de Marcelo?

Bernardo Ferrão

Bernardo Ferrão

Subdiretor de Informação

É indisfarçável. E só surpreende os mais desatentos. Passos e Marcelo andam de costas voltadas. A entrevista do líder do PSD ao SOL e a resposta do "dr. Rebelo de Sousa" – o episódio do "irradia felicidade" - foram a confirmação de que as coisas entre o Presidente "catavento" e o líder social-democrata não estão bem. A pergunta é: será que Passos sobrevive a Marcelo?

No discurso do 25 de Abril, o Presidente frisou que o seu mandato é, por natureza, "mais longo e mais sufragado do que os mandatos partidários", sublinhando que "não depende de eleições intercalares". O recado era também para Passos Coelho. Marcelo quis dizer-lhe: "habitue-se!".

Confesso que me custa a compreender a posição beligerante que Passos tem assumido contra Marcelo. Considero-a, do ponto de vista político, muito pouco sensata. Se Passos pretende colar Marcelo a António Costa (e às esquerdas) não só não o está a conseguir, como devia, em vez de atacar, aproveitar a onda e a crescente popularidade de Marcelo. Mas não, o líder social-democrata optou pela trincheira da sua coerência, à espera que a realidade lhe dê razão. Só que ao fazê-lo, fragiliza-se com o que diz mas também com as respostas prontas, e sorridentes, que ouviu de Marcelo.

É evidente que Passos não alinha com o Presidente. Mas é também evidente que a liderança social-democrata está num desalinho. Falta estratégia. Atira ao Presidente, mas cala-se nos debates com o primeiro-ministro. Mostra-se sem força anímica. Está retirado da arena da oposição, deixando-a quase em exclusivo para Assunção Cristas. Uma falta de comparência que António Costa aproveita o mais que pode. Dá gás a Cristas para diminuir Passos. Simples.

De há um mês para cá, Marcelo mudou ligeiramente o discurso. Sempre que comenta as questões da governação e as previsões económicas, o Presidente não só não se compromete como faz questão de passar o ónus para o Executivo: são eles que têm de provar. Passos devia ser o primeiro interessado em ter um Presidente independente e o mais fortalecido possível para quando chegar o momento do embate com o Governo – e esse momento vai chegar. Mas não, numa birra sem um racional que se perceba, Passos insiste em mostrar-se crispado, minando a relação com o Presidente, enervando o PSD, e permitindo que Costa explore uma espécie de bloco central entre Belém e São Bento.

Em 2014, numa entrevista que fiz a António Costa, o então presidente da câmara de Lisboa dizia que o seu grande adversário era Rui Rio – Passos era primeiro-ministro e líder do PSD e a intenção de Costa era fragilizá-lo. Ainda é cedo para dizer se Costa terá razão antes do tempo, mas no PSD já há alguns sinais de

incómodo com a liderança. Se estivesse tudo bem Maria Luís teria vindo pôr o dedo no ar? Andaria Luis Montenegro nos bastidores a sonhar com a sucessão? E será que se falava, como se voltou a falar, do nome de Rui Rio?

Por mais que tente sacudir a pressão, Passos sabe que a prova de fogo virá em outubro do próximo ano, nas autárquicas. Está nas suas mãos virar o jogo e decidir em que estado se quer apresentar a essas eleições. Até lá, pode não querer dançar com o Presidente, mas devia saber que as pedras que atira para Belém fazem ricochete e estão a faze-lo tropeçar. E por este andar não me parece que Marcelo lhe queira dar a mão.

  • A proposta dos partidos para a redução da dívida
    1:55

    Economia

    O PS e o Bloco de Esquerda querem mais 45 anos para pagar as dívidas à UE e juros mais baixos. As medidas fazem parte da proposta para a redução da dívida pública. No relatório que será enviado ao Governo, não é pedido perdão da dívida como os partidos da esquerda chegaram a defender.

  • Ministros de Governos de Sócrates ouvidos pelo Ministério Público
    1:54
  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00
  • "Têm um verdadeiro amigo na Casa Branca"

    Mundo

    O Presidente norte-americano reafirmou esta sexta-feira o apoio ao direito de porte de armas no país, sublinhando, numa convenção daquele 'lobby', que "o ataque de oito anos às liberdades consagradas no Artigo 2.º [da Constituição]" terminou.

  • A história de Macron e Brigitte Trogneux, 25 anos mais velha
    1:25

    Eleições França 2017

    A segunda volta das eleições francesas acontece já no próximo dia 7 de maio. Caso Emmanuel Macron seja eleito, o país terá como primeira-dama uma mulher 25 anos mais velha do que o Presidente. Brigitte Trogneux tem 64 anos e Macron 39, conheceram-se no liceu privado de jesuítas, em Amiens. Brigitte era a professora e Macron o aluno. Conheça a história do casal. 

  • Autoridades garantem ter evitado novo ataque terrorista em Londres
    0:59

    Mundo

    A polícia britânica garante que evitou um novo atentado em Londres. Mulher baleada faz parte das oito pessoas que foram detidas numa operação antiterrorista na capital britânica e no sul de Inglaterra. A operação realizou-se após a detenção de um homem com três facas, nas imediações do Parlamento britânico.

  • Presidente da Macedónia convocou reunião de emergência

    Mundo

    O Presidente da Macedónia, Gjorge Ivanov, convocou esta sexta-feira uma reunião de emergência com líderes políticos, após manifestantes, maioritariamente apoiantes da maioria conservadora, invadirem o Parlamento e atacarem deputados da oposição, fazendo 77 feridos.

  • Polícia espanhola divulga imagens de operação anti-jihadista

    Mundo

    A polícia espanhola divulgou esta sexta-feira novas imagens da operação anti-jihadista levada a cabo na terça-feira em Barcelona. Sabe-se agora que dois dos nove suspeitos detidos podem estar relacionados com a célula terrorista de Bruxelas, responsável pelos ataques no Aeroporto de Zaventem e no metro da capital belga.

  • Menina que nasceu com três pernas já corre

    Mundo

    Uma criança do Bangladesh que cresceu com três pernas vai regressar a casa, depois de uma viagem até à Austrália, onde foi operada para retirar o membro a mais. Como resultado de um gémeo que não se formou por completo, a criança de três anos nasceu com uma terceira perna na pélvis. Alguns meses após a cirurgia, feita em novembro, a menina já corre.