sicnot

Perfil

Joaquim Franco

O desafio da cedência

O discurso religioso, à semelhança do discurso político, reveste-se de uma semiótica de extrema cautela. O breviário político, como o religioso, está cheio de certezas absolutas, de teimosas balizas que enquadram a incapacidade de admitir - nas ideias, nos procedimentos, nos hábitos... - que a cedência faz parte da dinâmica do encontro, para fazer do tempo que passa um tempo de oportunidade. Não é fragilidade, nem é só contingência. Mas também não é opção. É uma boa inevitabilidade da existência humana. Num breve momento em que as barreiras do preconceito, político ou religioso, fossem tão inflexíveis que não permitissem o diálogo, não seriamos, sequer. É por aí que o homem se diz, que o homem se revela. Solidário, sem estar refém das ideias, mas sendo protagonista da história, que sendo também uma história de ideias, é antes uma história de relações, de cedências.

Até a capacidade de assumir compromissos, é inseparável da necessidade de saber quando ceder para evitar a fratura irremediável. E, antes de se fazer encontro, a aproximação requer a disponibilidade para a escuta, para acolher o que não se enquadra nos padrões do preconceito.

Ceder pode significar uma desistência. Mas, mais importante, é dar de si. Ceder é transferir uma parte. Só será capaz de ceder em consciência e liberdade quem recorrer ao discernimento para reconhecer no outro ou numa causa um depósito de confiança, dinâmico e mutável. No caso da política ou da religião, tendo como azimute o valor da pessoa e do bem comum.

Em tudo na vida - na família, no trabalho, na política ou na religião... -, somos à medida dos atos assumidos ou por assumir, das relações construídas ou por construir. Uma cedência pode ligar, porque deve responsabilizar. Não é só um ato social ou político. É também um ato religioso. Na essência, a vida não é mais do que uma espantosa oportunidade de fazer encontros, em contexto, num momento que é este entre o nascer e o ocaso, com liberdade criativa para descontextualizar e abrir caminhos inesperados, que rasgam o óbvio e vão para lá das evidências, cedendo, muitas vezes. Estranho é que se estranhem as imensas vias para, individual ou coletivamente, encontrar caminhos novos, experimentar novas possibilidades quando o que está já revela sinais de erosão.

É pela inevitabilidade da relação que se vislumbra um "nós". E se não há homem sem o ombro a ombro da relação e tudo o que ela implica, também não há Deus sem as procuras humanas e todos os seus equívocos.

Sugestões de leitura: Terramoto Doutrinal (Temas e Debates) de Carlos A. Moreira Azevedo, A Igreja não pode calar-se (Paulinas), textos inéditos de Óscar Romero, e Francisco de Assis, Renovador da Humanidade (Paulus) de Guedes de Amorim

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.