sicnot

Perfil

Joaquim Franco

Cidadãos e Religiosos

Na encíclica Laudato Si, o Papa Bergoglio desenvolve a ideia de uma nova cidadania quando apresenta o estranho paradigma de um "amor civil e político". O desafio é sobretudo dirigido aos crentes. Diz ele que "o amor, cheio de pequenos gestos de cuidado mútuo, é também civil e político, manifestando-se em todas as ações que procuram construir um mundo melhor", como "amor à sociedade" e "compromisso pelo bem comum"(art. 231).

Num documento para defender a Criação e o ambiente, o ecologista Francisco reafirma que "a política não deve submeter-se à economia e esta não deve submeter-se aos ditames e ao paradigma eficientista da tecnocracia", dando como exemplo - mau exemplo - "a salvação dos bancos a todo o custo, fazendo pagar o preço à população, sem a firme decisão de rever e reformar o sistema financeiro" (art. 189). Este "amor à sociedade" passa, na perspectiva do Papa Bergoglio, por um exercício político que tem como prioridade o bem comum, com reformas corajosas e medidas coerentes de combate à pobreza e às desigualdades sociais.


O pensamento religioso é também um compromisso com a comunidade. A história das civilizações não se compreende sem a procura do sentido. Perante as coisas inexplicáveis, o homem revelou-se, entre a construção da harmonia e a destruição da guerra, até chegar ao princípio da cidadania dos direitos e dos deveres. Mas, na prevalência da ética e do humanismo, a cidadania que se pretende é já mais exigente. É a cidadania que se entranha na própria dignidade humana. Uma cidadania para o outro, para o cuidado do outro, que não deixa ninguém para trás. A cidadania que nos faz iguais na diferença, da utopia de Thomas More à fraternidade de Francisco de Assis. Para os cristãos há uma referência, esta cidadania ganhou forma numa pessoa concreta, num tempo concreto e messiânico. Esta cidadania, tal como a Misericórdia que o Papa tenta restaurar no juízo do comportamento humano, é operativa. A misericórdia diz-se quando se faz. A cidadania diz-se quando se exerce. Para lá das leis e das normas que refletem apenas a forma como o homem se vê na circunstância. Terá pilares inalienáveis, mas sempre sujeitos à ousadia de Antígona. Na nossa polis já não cabem os extremos da tragédia teocrática ou a cegueira de um laicismo segregador. Já não somos apenas da cidadania grega do Estado, somos da cidadania da Pessoa, dos valores debatidos e discutidos em liberdade. Uma cidadania assegurada com autenticidade e participação, capaz de conciliar o indivíduo com a sua responsabilidade maior, que é a da relação concreta e, na sequência, a da solidariedade concreta, com a consciência do todo.

Vem esta reflexão sobre a cidadania a propósito do aparente pouco entusiasmo popular com as eleições que se aproximam, condicionadas pela dinâmica mediática. Como ir além do tempo do ecrã, das realidades aparentes e do factor mediático, que é benção e maldição, capaz de transformar vilões em heróis e encostar heróis ao anonimato. Se a cidadania que queremos é a da liberdade e da democracia, como ser cidadão responsável sem a participação activa? Que requer, em primeiro lugar, a capacidade de ouvir para escutar, de olhar para ver, de interpretar para discernir. Afinal, tudo o que se pede também a quem, pela via da fé, faz a procura ativa de um indizível que se revela no ombro ao lado. Somos enquanto seres de relação, chamados à responsabilidade social, à co-responsabilidade, ao "amor à sociedade". Bom ano.

Sugestões de leitura: O Rosto e as Imagens (Paulinas), de Joaquim Carreira das Neves; Que coisa são as nuvens(Impresa), de José Tolentino Mendonça; Liderar com humildade (Presença), de Jeffrey A. Krames.

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.