sicnot

Perfil

Joaquim Franco

Cidadãos e Religiosos

Na encíclica Laudato Si, o Papa Bergoglio desenvolve a ideia de uma nova cidadania quando apresenta o estranho paradigma de um "amor civil e político". O desafio é sobretudo dirigido aos crentes. Diz ele que "o amor, cheio de pequenos gestos de cuidado mútuo, é também civil e político, manifestando-se em todas as ações que procuram construir um mundo melhor", como "amor à sociedade" e "compromisso pelo bem comum"(art. 231).

Num documento para defender a Criação e o ambiente, o ecologista Francisco reafirma que "a política não deve submeter-se à economia e esta não deve submeter-se aos ditames e ao paradigma eficientista da tecnocracia", dando como exemplo - mau exemplo - "a salvação dos bancos a todo o custo, fazendo pagar o preço à população, sem a firme decisão de rever e reformar o sistema financeiro" (art. 189). Este "amor à sociedade" passa, na perspectiva do Papa Bergoglio, por um exercício político que tem como prioridade o bem comum, com reformas corajosas e medidas coerentes de combate à pobreza e às desigualdades sociais.


O pensamento religioso é também um compromisso com a comunidade. A história das civilizações não se compreende sem a procura do sentido. Perante as coisas inexplicáveis, o homem revelou-se, entre a construção da harmonia e a destruição da guerra, até chegar ao princípio da cidadania dos direitos e dos deveres. Mas, na prevalência da ética e do humanismo, a cidadania que se pretende é já mais exigente. É a cidadania que se entranha na própria dignidade humana. Uma cidadania para o outro, para o cuidado do outro, que não deixa ninguém para trás. A cidadania que nos faz iguais na diferença, da utopia de Thomas More à fraternidade de Francisco de Assis. Para os cristãos há uma referência, esta cidadania ganhou forma numa pessoa concreta, num tempo concreto e messiânico. Esta cidadania, tal como a Misericórdia que o Papa tenta restaurar no juízo do comportamento humano, é operativa. A misericórdia diz-se quando se faz. A cidadania diz-se quando se exerce. Para lá das leis e das normas que refletem apenas a forma como o homem se vê na circunstância. Terá pilares inalienáveis, mas sempre sujeitos à ousadia de Antígona. Na nossa polis já não cabem os extremos da tragédia teocrática ou a cegueira de um laicismo segregador. Já não somos apenas da cidadania grega do Estado, somos da cidadania da Pessoa, dos valores debatidos e discutidos em liberdade. Uma cidadania assegurada com autenticidade e participação, capaz de conciliar o indivíduo com a sua responsabilidade maior, que é a da relação concreta e, na sequência, a da solidariedade concreta, com a consciência do todo.

Vem esta reflexão sobre a cidadania a propósito do aparente pouco entusiasmo popular com as eleições que se aproximam, condicionadas pela dinâmica mediática. Como ir além do tempo do ecrã, das realidades aparentes e do factor mediático, que é benção e maldição, capaz de transformar vilões em heróis e encostar heróis ao anonimato. Se a cidadania que queremos é a da liberdade e da democracia, como ser cidadão responsável sem a participação activa? Que requer, em primeiro lugar, a capacidade de ouvir para escutar, de olhar para ver, de interpretar para discernir. Afinal, tudo o que se pede também a quem, pela via da fé, faz a procura ativa de um indizível que se revela no ombro ao lado. Somos enquanto seres de relação, chamados à responsabilidade social, à co-responsabilidade, ao "amor à sociedade". Bom ano.

Sugestões de leitura: O Rosto e as Imagens (Paulinas), de Joaquim Carreira das Neves; Que coisa são as nuvens(Impresa), de José Tolentino Mendonça; Liderar com humildade (Presença), de Jeffrey A. Krames.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.