sicnot

Perfil

Joaquim Franco

"Não se deixe engordar!"

Por prudência, fui mais cedo. Havia a promessa de um jantar e era melhor conhecer o ambiente, perceber os objetivos da conferência. O "professor Marcelo" seria a figura central da noite. Recordo o momento da chegada dele à igreja de Algueirão. Quando entrou, cumprimentou toda a gente. Na verdade não teria como não o fazer. Toda a gente foi ao encontro dele e ele deu tempo a toda a gente.

A conferência serviria para dar testemunho sobre isto de ser "família de amanhã". De Marcelo Rebelo de Sousa conhecia apenas o que toda a gente sabia. Em mais de duas décadas de exercício jornalístico cruzara-me com ele muitas vezes. Tendo em conta o que protagonizou e representa na rede de leitura e interpretação do quotidiano português, não há muitos jornalistas que possam dizer que nunca se cruzaram com Marcelo Rebelo de Sousa. Fosse numa conferência, num congresso, num corredor, numa campanha, num comício, à procura de um comentário, na apresentação de um livro. A presença do "professor Marcelo" não se limitava à omnipresença da exposição televisiva. Nem é preciso conhecê-lo de perto para saber que respondia generosamente a qualquer solicitação, sendo possível. Era, por aparente força da natureza e por evidente disponibilidade, um acessível.

Naquela noite, em Março de 2007, partilhei o jantar com ele. E experimentei Marcelo para lá da fugaz interpelação jornalística ou da formalidade de um palco. Fez muitas perguntas, recordo. Ali ficámos, entre garfadas, uma hora a falar de tudo. Da vida, da Igreja - era o enquandramento -, da religião, da juventude, da academia, da política, da televisão, do jornalismo. Já não me lembro bem dos pormenores da conversa, mas sei que foi descomplexada e reveladora. Na forma, e em certa medida no conteúdo, era naquele jantar o que era na televisão. De linguagem simples, fácil de entender. De posições moldadas, é evidente, mas sem complicómetro, directo.

Na hora da sobremesa levantei-me ligeiramente para tirar uma esferográfica do casaco, era preciso alinhavar umas notas para a moderação da deliciosa conversa que teríamos depois. "Cuidado com a barriga", ouvi. Marcelo olhara-me de perfil. "Que idade tem?", perguntou. "Veja lá, cuidado com essa barriga". Brincámos com o comentário e ele explicou os benefícios de uma alimentação saudável, da prática desportiva a partir dos 40. Depois da conferência e da despedida no meio da confusão dos derradeiros cumprimentos, quando já tinha virado as costas e abria o chapéu de chuva para sair, voltei a ouvi-lo. "Não se deixe engordar". Olhei-o de novo e percebi que fizera este derradeiro aviso já sem um sorriso, mas com aquele rosto mais fechado e penetrante, como quem avisa um aluno que tem de estudar. Era o mesmo da televisão, mudando de semblante consoante a gravidade da matéria e a fluidez do comentário, dando à expressão facial o sentido inapto da ideia. Qualquer que seja o amanhã, ele constrói-se e previne-se hoje. Nestes quase nove anos, não liguei muito ao que disse o "professor Marcelo" naquela noite. Era coisa de circunstância. Mas no domingo das eleições deu para reinterpretar a mensagem. Na dimensão política, como na tentação do apetite, há que usufruir do imediato sem comprometer o que está, ou pode estar, para vir. Vou fazer dieta...

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.