sicnot

Perfil

Joaquim Franco

A beleza última da relação

O fruir e o usufruir da beleza pressupõe códigos. Na contingência humana, implica a disponibilidade dos sentidos. Mas a natureza primordial está antes dos códigos e vive para lá dos sentidos. Quando acendemos uma vela em casa por falta de eletricidade, é um incomodo. Quando uma vela se junta a outra e a outra, cria-se um novo cenário que muda a perceção. O contexto carrega uma intencionalidade que há-de alinhar-se com uma ideia, permitindo a experiência da beleza.

À semelhança do sol, que tanto queima na praia como revela os contornos do sonho policromado de um vitralista, uma vela que ilumina uma escola na selva ou num bairro pobre tem a mesma natureza de milhares de velas juntas que magnetizam multidões, religiosas ou outras.

A experiência da beleza faz-se assim numa sintonia entre o que não muda - o real -, que já lá está, sempre esteve, e a circunstância do pensamento, dando uma leitura, um sentido ou um sentimento. É por aqui que pode também enquadrar-se o conceito de "dignidade humana" que está antes da condição de ser e de estar. Pode e deve incomodar, mesmo quando deslumbra. E deslumbra sem necessariamente tranquilizar.

O maio português traz uma referência visual, um cíclico quadro da emoção popular que arrasta o mistério desta natureza intrínseca. Jornais e televisões constroem a "imagem" de motivações insondáveis, imersas numa intimidade intransmissível, para refazer, ano após ano, caminhadas, dores e alegrias, uma presença, esclarecida ou ingénua, manipulada ou convicta, fé ou superstição. É o movimento de uma identidade religiosa tantas vezes incompreendida. Mas é nos lenços e nas velas, na história e testemunho de cada peregrino, que Fátima se diz e se revela sem segredos ou mistérios, como reação a uma procura - na devoção mariana ou em qualquer outra expressão de religiosidade menos convencional - ou a Procura, em si mesma.

Na cera derramada e no drama de um adeus, escorrem ínfimas parcelas do indivíduo e infinitas experiências dessa natureza intrínseca. A religião faz a mediação. Mas pode até haver quem tente a travessia sem mediação, entre a religiosidade - sentimental e experiencial, onde se procura uma resposta - e o mistério derradeiro - indizível e imutável, onde mora a pergunta. Um mistério a que a teologia chama também "ultimidade", o estado de todas as esperas, chegada e depósito último da esperança.

Nas palavras do professor de filosofia e teólogo Anselmo Borges, quando dizemos "ultimidade" estamos «a tentar dar resposta ao nosso perguntar sem limites», a «realidade última», que não podemos captar, o «fundamento último, e também o sentido último» (1).

Ser humano, auto-consciente e racional, é ser em dúvida - o Agora e o Depois... de onde e para onde? -, mas também ser em relação. A "verdade" procurada apela à corresponsabilidade e à interdependência. É um Encontro. «Estamos ligados uns aos outros, estamos ligados à terra, ao cosmos, e também a esse fundamento último» (2). Somos, em relação, o que sabemos que somos, o que julgamos ser e o que somos sem saber.

A experiência religiosa, no plano ritual e simbólico, faz a ponte entre a busca e o sagrado que os sentidos permitem sondar. Pode até introduzir a resposta, mas esta está e estará condicionada pelo contexto da inevitabilidade maior: a relação. Pela qual, por via da beleza, se faz a sintonia com a natureza intrínseca da existência.

(1) (2) Entrevista de Sarah Adamopoulos para Noticias Magazine, em 09/12/2007

Sugestões de leitura:

Quero que tu sejas! (Paulinas), Tomás Halík; Maria (Porto Editora), Rodrigo Alvarez

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.