sicnot

Perfil

José Gomes Ferreira

Estado de asfixia, numa economia de rendas e rendeiros

José Gomes Ferreira

José Gomes Ferreira

Diretor-Adjunto de Informação SIC

​Sim, um dos maiores problemas da economia portuguesa é o peso excessivo do Estado. E a situação ainda vai ficar pior com a atual conceção de política económica no poder e nos partidos apoiantes. Mas quem acha que só o Estado tem um peso excessivo na economia portuguesa, está redondamente enganado. O Portugal das rendas e dos rendeiros está cada vez pior. Com o povo a pagar a troco de nada.

Neste início de ano, quase à socapa, ficámos a saber que os bancos decidiram aumentar os custos anuais dos cartões de débito em cerca de um terço. Mais 33 por cento de custo do cartão Multibanco, a troco dos mesmos serviços prestados. Isto é um aumento mais de 50 vezes acima da inflação. O Deutsche Bank determinou um aumento de 150 por cento.

Quando me vêm falar de real concorrência entre bancos, eu pergunto porque é que me cobram todos os meses entre 50 e 60 euros por mês numa transferência regular de cerca de 400 euros para uma escola no Reino Unido. E todos os bancos portugueses cobram praticamente o mesmo, para quem precisa não há fuga possível.

E pergunto também porque é que quando um pequeno empresário vai a um banco pedir crédito e lhe exigem sete por cento, quando bate a porta dos outros bancos para obter alternativas, a exigência é a mesma? Há concorrência? Onde?

Se a renda não vem por um lado, vem pelo outro. Se os portugueses repararem bem, os preços médios de comissões, taxas, spreads, juros e outras alcavalas cobradas pelo setor bancário é praticamente idêntico.

Nas telecomunicações, a mesma prática. Que razão há para aumentarem todos os anos a fatura dos telemóveis em 2,5 por cento, quando a inflação não chega a 1 por cento?

E na eletricidade? Com alegados aumentos médios de 2,8 por cento que, na prática, são a média aritmética simples de aumento entre os vários escalões de consumo, mas quando entramos em análise de médias ponderadas ou medianas, verificamos que só se referem a uma pequena parte dos consumidores e a maior parte apanhou com aumentos de 3 e de 4 por cento?

Rendas, nestes setores, que as há, há, e continua a haver. A Troika bem avisou contra as rendas excessivas, mas nós estávamos mais interessados em dizer mal deles e mandá-los embora. Agora, pagamos e calamos, cada vez mais.

Neste desmando, mais um assalto ao bolso dos pobres pequenos agricultores portugueses, lançado pelo Governo anterior, seria para rir se não fosse uma tragédia.

O Ministério do Ambiente decidiu proibir todos os pequenos agricultores de utilizar pesticidas e herbicidas nas suas plantações a partir de dia 1 de Janeiro de 2016. Para o poderem fazer terão de tirar um curso de utilização de herbicidas e pesticidas em empresas privadas certificadas para o efeito. Este curso custa em média 150 euros. Repito, 150 euros que serão pagos pelos desgraçados pequenos agricultores a jovenzinhos formados à pressa para lhes ensinar o que não sabem e eles, agricultores, já sabem há muitos anos.

Para esta ideia eu só tenho uma expressão: é uma roubalheira feita às populações com carimbo oficial do Estado.

Aproveito para perguntar ao ilustre político que inventou esta proibição para a transformar em obrigação de formação altamente lucrativa para alguns, porque é que não se lembrou de dar essa formação em juntas de freguesia, com funcionários do Ministério da Agricultura a ministrá-la. Funcionários que na maior parte dos dias não têm nada para fazer no ministério.

Já agora, uma outra pergunta: quantos jovenzinhos de aparelhos partidários do CDS, do PSD e provavelmente do PS, terão ido a correr fazer empresas de formação profissional sobre aplicação de pesticidas e herbicidas por esse país fora, antes da aprovação desta abstrusa lei? Uma análise ao capital social destas empresas daria certamente uma muito interessante investigação jornalística.

No Portugal que quer trabalhar, e que o deixem trabalhar, a Câmara Municipal de Lisboa decidiu infernizar ainda mais a vida dos cidadãos que todos os dias, por necessidade profissional, atravessam a segunda circular em Lisboa. Podem circular a 80 km por hora em três faixas de rodagem, por pouco tempo. A Câmara vai gastar mais de 12 milhões de euros numa obra de fachada ecológica que reduzirá o número de faixas e a velocidade para 60 km por hora. O argumento de que os automobilistas poderão utilizar a CRIL não colhe, o túnel do Grilo já há muito que entope todos os dias.

Quem serão os acionistas das empresas de asfalto e urbanismo que estão a precisar de faturar com dinheiro público?

No Portugal de hoje, as poucas centenas de famílias que detêm mais de 25 milhões de euros de património e asseguram um rendimento anual de pelo menos 5 milhões de euros não pagando os impostos devidos, não cedem nem um cêntimo no controlo das suas rendas. E os seus serventuários vão aproveitando as margens da sua voracidade para extorquirem ainda mais dinheiro à população. Todos a cavalgar leis de um Parlamento e de uma classe política capturada até ao tutano.

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".