sicnot

Perfil

Lourenço Medeiros

A minha história favorita do Mariano Gago

Lourenço Medeiros

Lourenço Medeiros

Editor de Novas Tecnologias

Caiu-me uma chuva de recordações. Na SIC, ouço - o António Costa, vai falar sobre o Mariano Gago. Desconfiança imediata - o que é que aconteceu ao Mariano Gago? Morreu. E disse uma frase que nunca me imaginei dizer - morreu o “meu” ministro? Não é suposto um jornalista falar assim, e não me venham com cumplicidades, o “meu” ministro nunca me pediu uma peça, nem interferiu numa reportagem, nada.

Lourenco Medeiros

Lourenco Medeiros

Sentia sinceramente que ele tinha um objetivo que eu só podia admirar, a obra ficou à vista. Deixámos de ter show off de pseudo ciência e passámos a ocupar um lugar que até pode ser pequeno, mas é digno e importante na Europa dos investigadores. Acredito que muito se lhe deve, se temos  hoje empresas a trabalhar para a investigação espacial. Até ainda temos o Ciência Viva, e quem já viu os olhos dos miúdos num Pavilhão do Conhecimento imagina o potencial que ali está, a marca que pode deixar, semente de futuros sucessos. 

Passámos a olhar para a ciência como algo que dá frutos e importantes, mas que tem que prestar contas pelos recursos que consome.

Acabou com o POSAT, o satélite português, felizmente, mas estamos na Agência Espacial Europeia e noutras tantas instituições onde jovens portugueses vão aprender a fazer parte deste movimento que nos empurra sempre para a frente, para saber mais e fazer mais. 

Convidou-me para as reuniões do Livro Verde da Sociedade de Informação, e pensei que era só para uma vez: Não sei se por não ter doutoramento, ou por ter incomodado algumas vozes acomodadas ao status quo, não fui convidado no ano seguinte, devia ser uma quinta ou sexta-feira quando recebo um telefonema, uma voz de urgência a sublinhar a importância - Lourenço, o ministro descobriu que te excluíram, podes vir no fim de semana ao Livro Verde?

Como é que se diz que não a uma coisa destas?

Quando decidi acabar uma série de programas sobre o bug do ano 2000 com uma entrevista com o Ministro responsável dei com uma barreira de silêncio, um dia vi pela TV que estava no Parlamento. Imediatamente apanhei um táxi até à bancada de imprensa e entre alguma mímica e dois bilhetes trocados pelos funcionários da Assembleia lá dei comigo a tomar café com o Sr. ministro. Disse-me, preto no branco, o que ninguém me queria dizer - não te posso dar a entrevista já, ainda não tenho os dados todos. Ficou ali mesmo combinado que a entrevista seria tão tarde quanto possível, antes da emissão do tal programa, e não foi só tarde no dia. Era meia-noite quando na RTP estava toda uma equipa de estúdio para gravar a entrevista que terminaria a série de programas sobre o bug do ano 2000, e fez-se.

Lembro-me de trocar mensagens de correio eletrónico às 4 da manhã e ter resposta quase imediata. Tenho muitas histórias, até embaraçosas, não é suposto estar de microfone na mão ao lado de uns quantos jornalistas à espera de um Ministro que antes de responder seja o que for abre um abraço franco - há quanto tempo não nos víamos.

Mas a minha história favorita é a que me contou, a mim e a muitos outros, sorriso rasgado, com um brilho no olhar como se tivesse sido ontem. Adorava recordar como introduziu uma nova tecnologia em Portugal. Vinha do CERN, contava que chegou à fronteira num carrinho minúsculo com o porta bagagens carregado de caixotes com cartões perfurados, sim, era assim que se transmitiam dados, com cartões perfurados, e teve que explicar a um guarda de fronteira o que era aquilo. Explicou, ensinou a um guarda provavelmente pouco mais que analfabeto que passou da desconfiança à sede de saber,  e passou a fronteira com a sua carga, provavelmente o primeiro programa de computador a entrar no país. Ao que parece ficaram amigos. Esta história da qual já confundo os detalhes diz mais do homem, da sua capacidade de iniciativa do seu amor pela ciência e pela transmissão de conhecimento do que todas as pequenas anedotas que tenhamos compartilhado. 

Deixou-nos cedo, mas com obra feita que ainda marcará o país por muitos anos, por mais serviços que fechem por falta de verba para apostar na Ciência. Tenho a certeza de que podia fazer mais,  mas que foi uma daquelas vidas que valeu a pena para todos nós, os que cá estão e os que ainda virão.
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.