sicnot

Perfil

Luís Ferreira Lopes

Retoma, mas com cautelas

Editor de Programas Especiais

​A OCDE revela sinais animadores para o crescimento económico em Portugal e, principalmente, em França, Itália e na zona euro, mercado relevante para as exportações portuguesas.

O INE e Banco de Portugal (BdP) também têm mostrado indicadores de retoma, mas o FMI alerta que é preciso continuar a apertar o cinto, em especial no Estado.

Em junho, a actividade económica continuou a crescer, mas ligeiramente menos do que em maio. Há indicadores da chamada "Economia comportamental" que antecipam inflexões no ciclo económico de cada país e aos quais vale a pena estar atento - e o índice compósito da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) é um deles. De acordo com a Lusa, o índice para Portugal subiu para 101,21, acima da média de longo prazo de 100 pontos.

A OCDE prevê estabilização do crescimento na Alemanha, Japão, Índia e Rússia, mas prevê um "crescimento firme" na zona euro, França e Itália. Para os Estados Unidos e Reino Unido, a previsão é de "crescimento moderado a longo prazo" e de quebra no Brasil e na China. Este barómetro é importante, além dos dados concretos nacionais da balança comercial (exportações e importações) ou do investimento das empresas, porque ajuda a medir o pulso às principais economias com quem os empresários portugueses têm relações comerciais e porque antecipa as tendências quanto às hipóteses de se exportar mais ou então de prever investimento e consumo dos agentes económicos (empresas e famílias).

Os indicadores de confiança e de consumo do BdP e do INE têm mostrado os sinais de retoma e os economistas antecipam um crescimento da economia portuguesa de cerca de 1,6%, no segundo trimestre, em termos homólogos, e de 0,6% em cadeia, ou seja, do primeiro para o segundo trimestre deste ano. Se o turismo, as exportações e a procura interna continuarem a este ritmo, o PIB português poderá crescer este ano perto de 2%, o que será comparável neste século XXI apenas ao ano de 2007, mas este crescimento tem como base outros pressupostos e surge depois de duros anos de recessão e austeridade da Troika.

A propósito de austeridade, convém lembrar que, apesar destes dados positivos, o FMI veio recentemente avisar que o Estado tem de avançar com reformas profundas do lado da despesa pública e na Administração central. Disse ainda o que já sabíamos: é preciso reduzir défice e dívida (pública e externa) e é prudente olhar com atenção para o novo aumento das importações e também para o fenómeno da subida do crédito ao consumo, concedido pelos bancos e outras instituições financeiras, para se evitar a repetição de erros do passado.

Em conclusão: há notícias animadoras, mas, devido a problemas que são estruturais (e estão longe de estar resolvidos), é melhor não "deitar foguetes", em especial nestas festas de verão e em período eleitoral, para prevenir incêndios...

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.