sicnot

Perfil

Luísa Castel-Branco

Visto de cima: E então depois falem de liberdade e democracia

Se a crise que estamos a viver há quatro anos nos ensinou alguma coisa, foi seguramente a não tomar nada como adquirido.

O mundo fora das nossas portas tornou-se também um lugar ainda mais perigoso, onde tudo é volátil e a maior parte das situações não são passiveis de compreensão.

Em muitos aspectos andámos para trás em termos civilizacionais , como se estivéssemos constantemente à beira do abismo, do retorno a uma idade média de má memória.

Por cá a memória também se desvaneceu para muita gente.

Deixando o ridículo de discutir quem trouxe a Troika para Portugal, o facto é que a passagem dos credores pelo país obrigou-nos a todos a um apertar de cinto mas também a um repensar a vida.

Todos os dias ouvimos bramir contra a falta de liberdade.

Quem o faz só pode pertencer a dois grupos. Quem nunca viveu antes do 25 de abril, ou quem tem uma agenda própria em que o significado de liberdade não é o que consta do dicionário.

O facto de estar aqui a escrever é um exemplo perfeito da liberdade em que vivemos.

Mas o abuso da palavra liberdade equipara-se ao abuso da palavra democracia.

Ambas são usadas muitas vezes de forma incorrecta e atiradas como arremesso politico e nada mais.

Vivemos hoje numa sociedade que transpira o ”politicamente correcto” por todos os poros.

Só a esquerda é detentora da razão. Só a esquerda defende os mais fracos. Só a esquerda tem valores. Enfim a lista é infindável.

Podemos perguntar qual esquerda. A confusão é muita: o PCP e os partidos de extrema-esquerda consideram o PS liberal. O PS considera o PSD de direita e assim por diante.

Ficamos com um enorme buraco no centro, o centro onde efectivamente se ganham eleições.

Apoiar a Coligação, acreditar que o governo fez o melhor que pode por um Portugal à beira da bancarrota é pois politicamente incorrecto.

E mais grave ainda é acreditar que não nos podemos aventurar pelos caminhos da Grécia, sim porque é importante falar da Grécia, e que entre o sonho, a ficção e a realidade existe esta coisa terrível que é governar um país que continua a ter que pagar empréstimos e obrigações.

Se acordarmos no dia 5 com um cenário de ingovernabilidade, bem podemos dar por perdidos todos os sacrifícios destes anos.

E então depois falem de liberdade e democracia.

Sobre Luísa Castel-Branco

Luísa Castel-Branco esteve sempre ligada à comunicação.

Começou por colaborar no Jornal Semanário e mais tarde fez parte do grupo fundador da revista Máxima. Em 1999, aceita o convite para fazer parte do projecto Canal Notícias de Lisboa (CNL) e apresentou o Talk Show Luísa.

Na televisão conduziu ainda o concurso Dinheiro à Vista na TVI e, mais tarde, na RTP1 o programa diário Emoções Fortes e o concurso O Elo Mais Fraco. Depois de uma pausa, voltou aos programas em directo, com Noites Interactivas, no canal 21 da TVCabo.

Na SIC Mulher, apresentou «Vícios e Virtudes» e participou ainda em «Eles por Elas».

Hoje colabora no programa Passadeira Vermelha da SIC CARAS.

Outra das suas maiores paixões é escrever

Depois de em 2001 ter publicado Luísa - o seu primeiro livro - estreou-se no romance com "Alma e os Mistérios da Vida", uma obra que convenceu a crítica e conquistou o público.Escreveu ainda Para ti, Não desistas de mim, Diz-me só a verdade e Estranho Lugar para amar.

  • Visto de cima: Quem quer ser Português?

    Fernando Ribeiro

    A SIC pediu a várias personalidades que dessem a sua opinião sobre o atual momento que se vive no país. Todos os dias, no decorrer da campanha, é publicado aqui um artigo de cada uma dessas pessoas, ligadas às mais diversas áreas, que normalmente não são chamadas a falar sobre politica nacional. A opinião de hoje é de Fernando Ribeiro, o vocalista dos Moonspell.

  • Visto de cima: Outros, x por cento

    José Luís Peixoto

    A SIC pediu a várias personalidades que dessem a sua opinião sobre o atual momento que se vive no país. Todos os dias, no decorrer da campanha, é publicado aqui um artigo de cada uma dessas pessoas, ligadas às mais diversas áreas, que normalmente não são chamadas a falar sobre politica nacional. A opinião de hoje é do escritor José Luís Peixoto.

  • Visto de cima: "Totós" ou Campeões?

    Nuno Delgado

    A SIC pediu a várias personalidades que dessem a sua opinião sobre o atual momento que se vive no país. Todos os dias, no decorrer da campanha, é publicado aqui um artigo de cada uma dessas pessoas, ligadas às mais diversas áreas, que normalmente não são chamadas a falar sobre politica nacional. A opinião de hoje é do judoca Nuno Delgado.

  • Visto de cima: Portugal ganhou o Euromilhões

    Nilton

    Se é do género de pessoas que se atira a um texto pelo título, fique a saber que já gastámos o dinheiro do prémio. Lamento. Com a entrada na União Europeia recebemos milhões a um nível de fartura que nunca tínhamos visto e mesmo assim conseguimos esfalfa-los de pronto e quase tão rápido quanto as vinte e quatro horas que um dia tem. Pior, ainda conseguimos gastar mais uns quantos e deixar para os pagar quem viesse a seguir.

  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Cada vez mais pessoas viajam no Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • As crianças que estão a morrer à fome em África

    Mundo

    A UNICEF alertou esta terça-feira que a má nutrição aguda que afeta a Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iémen coloca este ano em "iminente" risco de morte 1,4 milhões de crianças devido à fome que existe naqueles países. São milhares de casos de um incessante desespero numa luta diária pela sobrevivência.

  • Mundo tornou-se "mais sombrio e mais instável" em 2016

    Mundo

    O mundo tornou-se em 2016 "um local mais sombrio e mais instável", devido ao agravamento de conflitos como a Síria e dos "discursos do ódio" na Europa e Estados Unidos, considerou hoje a Amnistia Internacional no seu relatório anual.

  • Semáforos no chão para os mais distraídos

    Mundo

    Na cidade holandesa de Bodegraven, está a ser testado um sistema de semáforos para quem usa o telemóvel na rua. Estes semáforos têm a forma de faixas, que são colocadas no chão, e a luz muda de cor consoante o trânsito, tal como os semáforos já existentes.

    André de Jesus

  • Carro "desgovernado" entra em loja e atropela cliente

    Mundo

    O cliente de um mini-mercado no condado de Bronx, em Nova Iorque, sobreviveu de forma incrível ao impacto de um automóvel que entrou loja adentro. Apesar da violência das imagens, o homem sobreviveu e conseguiu mesmo sair da loja pelo próprio pé até ser transportado para o hospital.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.

  • Pulseira deixa sentir os movimentos do bebé ainda na barriga da mãe

    Mundo

    A pulseira Fibo permite que os futuros pais (ou mães) consigam sentir os seus filhos a dar pontapés ainda na barriga da mãe. Desenvolvida por um designer de joias da Dinamarca, a pulseira vai transmitir os movimentos do bebé no útero, de modo a que os pais possam partilhar essa experiência da gravidez.

  • Cães desfilam no Rio de Janeiro
    1:00

    Mundo

    O tradicional cortejo de Carnaval brasileiro só acontece daqui a uns dias, mas no Rio de Janeiro já há inúmeros desfiles pelas ruas. Na praia de Copacabana, os animais mascararam-se de humanos.