Última Edição

0
0:05

Última Edição

1
1:34

São precisos 20 anos para Portugal regressar ao desemprego antes da crise

2
2:27

Professor obrigado a devolver 7 mil euros à segurança social

3
1:36

Em defesa do juiz Carlos Alexandre por medidas a Salgado

4
1:39

Ministro considera entrega de 36 ambulâncias ao INEM "momento histórico"

5
1:31

População de São João da Madeira contra entrega do hospital à Misericórdia

6
2:25

Apelo ao rastreio no Dia Mundial das Hepatites

7
1:15

Mortes em rios e lagos superiores que no mar

8
3:05

Emigrantes começam a regressar às aldeias transmontanas

9
2:52

Vinhos portugueses em destaque no Brasil

10
1:53

Obama termina visita à Etiópia com discurso na sede da União Africana

11
0:30

Coreia do Norte recusa desistir do programa nuclear

12
1:04

Perseguição de duas horas nos EUA acaba em detenções

13
1:42

Luís Duque e Pedro Proença hoje a votos

14
1:40

Exposição com vestidos de noiva da realeza em Évora

16:39 03.11.2011

Guardas Prisionais em vigília junto ao Ministério da Justiça

LUSA Guardas Prisionais  exigem o pagamento do subsídio de turno. (Lusa/Arquvo)

Cerca de uma centena de guardas prisionais estão hoje concentrados em frente ao Ministério da Justiça em vigília para exigir alterações ao estatuto profissional.

O presidente do Sindicato Nacional do Corpo dos Guardas Prisionais  (SNCGP), Jorge Alves, disse à agência Lusa que a vigília, que começou por volta das 10:00 e termina às 18:00, está a "ultrapassar todas as expetativas", tendo em conta que estão presentes guardas prisionais do Algarve, Porto, Guarda, Alcoentre e região de Lisboa.

Jorge Alves adiantou que os guardas prisionais exigem que o estatuto  profissional seja negociado e até agora o MJ "ainda não demonstrou claramente  essa vontade dado que remetem para mais tarde" a resolução da questão. 

Segundo o sindicalista, o MJ apenas iniciou, juntamente com a Direção  Geral dos Assuntos Prisionais, a discussão dos horários de trabalho, outra  das reivindicações destes profissionais há mais de quatro anos. 

Além dos guardas prisionais no ativo, marcam também presença na vigília  alguns dos candidatos a esta profissão e que aguardam há cerca de oito meses  por uma resposta por parte do ministério. 

Jorge Alves afirmou que em fevereiro foi publicada em Diário da Republica  a lista provisória dos 263 candidatos selecionados e "até à data não tiveram  qualquer conhecimento do início do curso de guardas". 

Segundo o presidente do SNCGP, o MJ tem dito "indiretamente que atualmente  não era possível fazer ingressar o pessoal para o curso de guardas", mas a proposta do Orçamento de Estado para o próximo ano prevê o recrutamento  de pessoal em caso de necessidade. 

Dados do sindicato referem que em 2002 saíram 800 guardas prisionais para a reforma e desde essa data só entraram 265 novos elementos. 

A vigília é o segundo protesto realizado em menos de uma semana pelos guardas prisionais, que estiveram de greve nos dias 28, 29, 30 e 31 de outubro  e 01 de novembro. 

O SNCGP tem convocado o segundo período de greve para sábado, estando  também a ponderar aderir à paralisação nacional de 24 de novembro. 

Jorge Alves destacou ainda os recentes estudos que dão conta de que  pelo menos 47 por cento do pessoal do corpo dos guardas prisionais está  arrependido ter vindo para esta profissão. 

Na quarta-feira, o Ministério da Justiça acusou o SNCGP de ter realizado cinco dias de greve "ao arrepio dos princípios de boa fé", tendo em conta que estavam a decorrer negociações. 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

País

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .