País

Jardim defende realização de referendo sobre a autonomia regional

O presidente do Governo Regional da Madeira,  Alberto João Jardim, defendeu hoje a realização de um referendo sobre a  autonomia regional, caso Lisboa não entenda as exigências da região nesta  matéria, num contexto de revisão constitucional. 

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

"A Madeira não deve andar sujeita a imposições de outras pessoas. A  Madeira, como qualquer cidadão livre no mundo e como é direito da comunidade  internacional democrática, se houver dúvidas em Lisboa sobre isto, se não  se chegar a acordo, acho que deve haver um referendo", disse Jardim aos  jornalistas, à entrada para o jantar da FAMA - Fórum da Autonomia da Madeira.

O FAMA é um movimento criado em 1999, que reúne personalidades de vários  quadrantes políticos e tem como presidente honorário Alberto João Jardim,  tendo estabelecido como objetivo estudar, equacionar e aprofundar as questões  relacionadas com a autonomia política do arquipélago da Madeira. 

O presidente do FAMA, Gabriel Drumond, disse à Lusa que, neste jantar,  interdito à comunicação social, iria propor a passagem do movimento a partido  político, com vista às eleições legislativas regionais de 2014. 

Jardim foi instado a explicitar algumas das suas afirmações numa entrevista  televisiva à RTP-Madeira que irá para o ar domingo à noite, na qual terá  admitido, como um dos cenários para a região, a independência, garantindo,  ao mesmo tempo, que tem "muito orgulho em ser português" . 

Utilizando uma analogia, Jardim disse que, quando se chega à idade adulta,  "pode-se sair de casa, ter a nossa casa e ir almoçar a casa do pai". 

O líder madeirense salientou que a questão da realização de um referendo  foi hoje também analisada na reunião do conselho regional do PSD-Madeira,  que "propôs que ficasse claro na Constituição o conteúdo da autonomia da  Madeira, que tem sido o problema de até agora não estar claro". 

"Entendemos que devem ficar cinco pontos que são competência da República:  Direitos, Liberdades e Garantias, política externa, a defesa nacional e  segurança interna, tribunais de recurso e regime de segurança social. Fora  disto, entendemos que tudo tem que ser connosco", sustentou o governante.

O jantar da FAMA deve reunir cerca de 500 participantes. 

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • CP acaba com primeiro rápido da manhã entre Lisboa e Porto

    Economia

    A CP já apresentou as alterações aos horários dos comboios Alfa Pendular e Intercidades a partir do próximo dia 5 de agosto de 2018 (domingo). A nova escala elimina o primeiro Alfa Pendular da manhã por uma nova ligação Intercidades que só sai de Lisboa aproximadamente uma hora depois. Uma medida justificada pela falta de procura mas que surge dias depois de serem denunciados problemas no funcionamento dos Comboios de Portugal.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".