sicnot

Perfil

País

Alberto João Jardim condenado a pagar 4 mil euros por danos "provocados na honra"

O presidente cessante do Governo da Madeira, Alberto João Jardim, foi condenado a pagar ao candidato do PND à Câmara do Funchal em 2009, Gil Canha, uma indemnização cível de 4.000 euros por danos "provocados na honra".

HOMEM DE GOUVEIA / Lusa

Segundo a sentença, datada de 27 de fevereiro e a que a Lusa teve hoje acesso, Gil Canha "intentou a presente ação declarativa de condenação contra Alberto João Jardim e Marco António Freitas (JSD)" alegando que o presidente do Governo Regional "ordenou a alguns jovens que o acompanhavam numa inauguração que abrissem uns cartazes em frente a órgãos de comunicação social [...] com dizeres 'CANHA foge para o Brasil! A justiça venezuelana te procura...'". Os factos reportam-se a 07 de outubro de 2009, durante a campanha para as autárquicas, e teriam como objetivo envolver o candidato em tráfico de droga na Venezuela.

"Condeno solidariamente os réus Alberto João Cardoso Gonçalves Jardim e Marco António Freitas no pagamento de uma indemnização no valor de 4.000 euros, cada um, ao autor Gil da Silva Canha, acrescida de juros de mora vencidos e vincendos desde a citação até integral pagamento", pode ler-se na decisão judicial.

Gil Ganha, que foi vereador no município do Funchal e é atualmente cabeça de lista do PND às eleições legislativas regionais que se realizam na Madeira a 29 de março, pediu uma indemnização pelos danos aos dois réus, solicitando a sua condenação no pagamento solidário de 16 mil euros (8.000 a cada um).

A juíza deu como provado que o autor e os restantes candidatos do PND "foram impedidos de entrar na área [da inauguração presidida por Jardim, na zona do Tecnopolo, no Funchal] por vários elementos de uma empresa de segurança privada" e que o social-democrata "ordenou a alguns jovens que se encontravam na zona exterior o seguinte: 'Abram os cartazes, que eu estou mandando. Sou eu que estou mandando, ó sr. guarda, está a ouvir o que estou a dizer? Estou a mandar, portanto não chateie ninguém'".

A sentença refere que "uma das tarjas era segurada pelo réu Marco António Freitas e por João Pedro de Freitas Vieira e continha os seguintes dizeres, em grandes carateres em letra escura e com fundo branco: 'CANHA foge para o Brasil! A justiça venezuelana te procura...'", mensagem amplamente difundida pelos órgãos de comunicação social.

   No entender do tribunal, o autor Gil Canha "sentiu-se ofendido, humilhado, vexado e revoltado com os dizeres e sua divulgação" e não existe informação que tal acusação correspondesse à verdade, pelo que "os réus tinham o propósito de denegrir a imagem, o bom-nome, consideração, a integridade moral, pessoal e profissional do autor". 

A sentença sustenta que "lançar uma frase destas na comunicação social, em período de campanha eleitoral", tem muito mais impacto quando se trata de um candidato a presidente da Câmara Municipal do Funchal.

Segundo a juíza, "não subsistem dúvidas de que a ação ilícita dos réus é causa adequada à ocorrência dos danos (nexo de causalidade)" e verificou-se "o requisito da imputação subjetiva do dano aos réus, tendo estes agido com culpa grave".

Sustenta que os danos causados a Gil Canha não foram "meras contrariedades, nem incómodos", mas "lesões que ultrapassam a banalidade e que assumem gravidade suficiente para merecerem uma compensação". 

Nestes termos, o tribunal aponta que o montante da condenação é "adequado e proporcional".

O julgamento começou a 11 de novembro de 2014.




Lusa
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.