sicnot

Perfil

País

Fábrica do Carregado com dois incêndios em seis meses

A fábrica de montagem de componentes de automóveis do Carregado da Dura Automotive Portugal, onde deflagrou hoje um incêndio, foi atingida duas vezes pelo fogo em apenas seis meses.

Lusa

Em setembro de 2014, a unidade, localizada no concelho de Alenquer, foi atingida por um fogo que começou com uma explosão num quadro elétrico. Além dos estragos, fez dois feridos, um deles em estado grave.

Passados seis meses, a fábrica do fornecedor mundial de componentes de automóveis volta a ser hoje consumida pelas chamas.

No local, estão 112 bombeiros e 39 veículos de diversas corporações de bombeiros do distrito de Lisboa, informou fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa, num balanço à agência Lusa às 21:36.

A mesma fonte disse que o incêndio "não está dominado", ainda que esteja confinado à secção de pintura da fábrica. 

Cinco pessoas tiveram de ser assistidas no local devido à inalação de fumo.

O incêndio começou às 19:20, quando havia ainda trabalhadores na fábrica, localizada junto à empresa Salvador Caetano, também de montagem de componentes para automóveis.











Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.