sicnot

Perfil

País

Portugal recebe pela primeira vez encontro de e para mulheres empresárias

Portugal vai receber, pela primeira vez, uma reunião internacional de e para mulheres com empresas online que queiram trocar experiências e aprender a rentabilizar ao máximo as potencialidades do trabalho em rede para fazer crescer o seu negócio.

Portugal vai receber, a partir de quarta-feira e pela primeira vez, um encontro de e para mulheres empresárias, no Hotel Cascais Miragem. A ideia é de Linda Pereira, representante da "Women Ecommerce Association International" em Portugal. (Reuters)

Portugal vai receber, a partir de quarta-feira e pela primeira vez, um encontro de e para mulheres empresárias, no Hotel Cascais Miragem. A ideia é de Linda Pereira, representante da "Women Ecommerce Association International" em Portugal. (Reuters)

© Andrea Comas / Reuters

O encontro destas mulheres empresárias arranca quarta-feira e prolonga-se até domingo e decorre no Hotel Cascais Miragem, fruto da ideia e da vontade de Linda Pereira, a representante em Portugal da 'Women Ecommerce Association International', que organiza o encontro.

À agência Lusa, Linda Pereira explicou que este encontro, que dá pelo nome de "The WOW Conference", será "ideal" para as mulheres empresárias na casa dos 30 anos, que estão em empresas unipessoais e querem fazer crescer o seu negócio ou que estão em cargos de chefia intermédia e ambicionam atingir o topo.

Segundo a empresária, as previsões apontam para que só em 2035 é que as mulheres consigam ocupar 72% dos lugares dos cargos intermédios nas empresas e só em 2095 é que será alcançada a paridade, factos que a levaram a criar uma conferência para debater a liderança no feminino.

Apontou também que as mulheres não têm sabido explorar as potencialidades do trabalho em rede, uma realidade ainda mais preocupante em Portugal.

"Em Portugal é absolutamente péssimo, as mulheres não criam redes, [quando] toda a gente sabe que hoje em dia as redes nos negócios são um apoio imprescindível para subir na carreira, para termos informação, para trocarmos experiências, para alargarmos os nossos conhecimentos", apontou Linda Pereira.

No entanto, as mulheres portuguesas continuam "a estar muito limitadas pelo seu tipo de vida", já que a "sociedade continua a achar natural que elas assumam a família, os pais idosos, os problemas todos e a carreira também".

"É muito difícil elas depois terem tempo para 'networking', para socializar no âmbito dos negócios, participar em conferências, estar disponíveis, uma coisa que é tradicionalmente considerada normal no ambiente de negócios dos homens", sublinhou. 

Apontou, por outro lado, que o machismo que existe em Portugal é "soft", "simpático", "paternalista", o que faz com que seja mais difícil de lidar com ele.

Segundo Linda Pereira, "há uma nova tendência a varrer o mundo", um novo feminismo, em que as mulheres ajudam outras mulheres e deu como exemplo o seu próprio caso, em que se socorre de uma rede com "mais de 36 mil mulheres" sempre que tem um problema e precisa de ajuda: "Numa hora tenho milhares de sugestões".

"Isto é muito importante porque a ideia é ajudarmo-nos umas às outras a aceder a novas capacidades e poder multiplicá-las pelo apoio que temos fora do nosso ambiente restrito", defendeu.

Razão pela qual, frisou a empresária, é objetivo deste encontro criar um sistema de mentoras, onde estas mulheres tenham disponibilidade para se ajudarem mutuamente, seja por telefone ou online, por exemplo.

A empresária sublinhou que o comércio eletrónico "tem sido uma grande arma para as mulheres em todos os mercados" porque as tem ajudado a ultrapassar as normais barreiras dos mercados tradicionais, revelando que, atualmente, "cerca de 34% de todas as empresas de 'ecommerce' são detidas por mulheres".

Linda Pereira disse ainda que a "The WOW Conference" vai passar a ser anual, alternando entre o continente americano e a Europa.


Lusa
  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.