sicnot

Perfil

País

PSD e CDS chumbam requerimento do PS com perguntas a Passos

PSD e CDS reprovaram hoje o requerimento do PS com nove perguntas a dirigir ao primeiro-ministro sobre a sua carreira contributiva, mas os socialistas advertiram que "vão até ao fim do mundo" na exigência de esclarecimento.

MIGUEL A. LOPES (Lusa)

Na votação realizada na Comissão Parlamentar de Trabalho e Segurança Social, PCP e Bloco de Esquerda votaram a favor do requerimento dos socialistas, com a maioria PSD/CDS a chumbá-lo  por o classificar como contrário ao Regimento da Assembleia República.

Pela parte do PSD, Adão e Silva elogiou a via seguida pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP (em contraste com o PS) de questionarem diretamente Pedro Passos Coelho sobre a sua carreira contributiva no período entre 1999 e 2004, sem terem procurado para esse efeito a via da Comissão Parlamentar de Trabalho e da Segurança Social.

Adão e Silva classificou então a via escolhida pelo PS de questionar Pedro Passos Coelho como sendo a "mais longa e mais tortuosa", "tíbia" e também contrária ao Regimento da Assembleia da República, tendo como único objetivo "o espetáculo" da presença da comunicação social.

O deputado do PSD sugeriu depois aos socialistas que façam as perguntas diretamente ao primeiro-ministro através de um requerimento, tal como fizeram Bloco de Esquerda e PCP, ou coloquem as questões no próximo debate quinzenal com a presença de Pedro Passos Coelho.

No mesmo sentido, o deputado do CDS Artur Rego rejeitou a intenção do PS "de utilizar" a Comissão Parlamentar de Trabalho e de Segurança Social como "um guarda-chuva" para se dirigir ao líder do executivo e considerou "demagógica" a iniciativa dos socialistas.

Nuno Sá, coordenador da bancada do PS, contrapôs que a via do requerimento direto ao primeiro-ministro não oferece garantias de resposta, alegando a este propósito que Pedro Passos Coelho, desde 2012, tem por responder seis perguntas formais formuladas por deputados.

Antecipando o resultado da votação, Nuno Sá argumentou que o primeiro-ministro "é o primeiro interessado" no sentido de que se esclareçam todas as dúvidas no que respeita à sua carreira contributiva e advertiu que o chumbo da iniciativa do PS pela maioria PSD/CDS "não fará desaparecer a questão" do panorama mediático e da Assembleia da República.

"Pela parte do PS, seja no debate quinzenal ou por outra via, as perguntas não deixarão de ser feitas pelo PS. Diria até que vamos até ao fim do mundo e questionaremos tudo para que as dúvidas sejam dissipadas", avisou, gerando protestos entre os deputados do PSD e do CDS.

Mariana Aiveca, deputada do Bloco de Esquerda, defendeu que a maioria PSD/CDS levantou "falsas questões" para recusar o requerimento do PS, que seguiu "uma via legítima".

"Estamos perante um caso de gravíssima responsabilidade política do primeiro-ministro em relação ao cumprimento dos seus deveres perante a Segurança Social. Se, como diz o primeiro-ministro, 'quem não deve não teme', então não deve temer em responder a este requerimento", sustentou.

Também o deputado do PCP Jorge Machado colocou a questão no ponto referente à alegada exigência de "um cabal esclarecimento" por parte de Pedro Passos Coelho sobre a forma como procedeu perante a Segurança Social no período entre 1999 e 2004.

"Até agora, o primeiro-ministro deu respostas completamente esfarrapadas", sustentou, antes de rejeitar a tese da maioria PSD/CDS segundo a qual o requerimento do PS é contrário ao Regimento da Assembleia da República.



Lusa
  • PSD defende que Passos pode dar mais explicações num debate quinzenal
    0:59

    País

    Os deputados da maioria chumbaram o pedido do PS para que Passos Coelho esclarecesse o caso das contribuições à Segurança Social, entre 1999 e 2004. Para o PSD e o CDS, a iniciativa do PS viola o regimento do Parlamento. Os socialistas queriam que nove questões fossem respondidas na comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social. Para o PSD, o assunto já está esclarecido e pode agora ser colocado num debate quinzenal ou através de um requerimento diretamente dirigido ao chefe do Executivo, tal como fizeram o PCP e o Bloco de Esquerda. A SIC falou com Nuno Sá, do PS, e Adão e Silva, do PSD.

  • Oposição quer conhecer ao pormenor carreira contributiva de Passos Coelho
    2:40

    Economia

    Apesar dos repetidos esclarecimentos de Passos Coelho, ainda há perguntas por responder. Todos os partidos da oposição entregaram no Parlamento requerimentos para saber ao pormenor o que se passou entre 1999 e 2004. Anos em que o primeiro-ministro acumulou dívidas à Segurança Social e que, de acordo com o jornal Público, não foram todas contabilizadas. Parte da dívida terá sido dado como prescrita. O valor entre 1999 e 2004 com juros seria superior a 8 mil euros. A Segurança Social terá tido em conta o valor entre 2002 e 2004.

  • PCP quer que Passos esclareça a falta de pagamentos à Segurança Social
    0:40

    País

    O PCP espera que o primeiro-ministro esclareça o caso da falta de pagamentos à Segurança Social antes do debate quinzenal agendado para 11 de Março. O líder parlamentar comunista diz que as explicações de Pedro Passos Coelho não convencem e, por isso, o partido já entregou, na Assembleia da República, um conjunto de perguntas que quer ver respondidas pelo primeiro-ministro.

  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria", Reportagem Especial de hoje.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Como fugir às comissões bancárias
    7:24

    Contas Poupança

    Há muitos casos em que ter uma conta no banco está a dar prejuízo. Os juros são tão baixos e as comissões de manutenção de conta são tão altas que há portugueses que todos os meses perdem dinheiro apenas porque têm dinheiro no banco. O Contas Poupança foi à procura de alternativas.

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Produtores de maçã de Armamar dizem não ter recebido resposta do Ministério
    2:14

    País

    Os produtores de maçã de Armamar estão preocupados. Parte da produção foi destruída pelo mau tempo. Contudo, duas semanas depois, ainda não há resposta do Ministério da Agricultura aos pedidos de ajuda. Mais de 60 produtores com 800 hectares foram afetados e as árvores atingidas pelo granizo podem não conseguir produzir no próximo ano.

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.

  • Número de mortos em atentado em Cabul sobe para 31

    Mundo

    O número de mortos no atentado com um carro armadilhado atribuído aos talibãs, esta segunda-feira de manhã em Cabul, subiu para 31, aos quais se somam cerca de 40 feridos, de acordo com um novo balanço das autoridades.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34