sicnot

Perfil

País

Portugal envia 140 militares e quatro aviões F16 para missões da NATO no Báltico

O Ministério da Defesa anunciou hoje que vai enviar para a Lituânia e para a Roménia 140 militares do Exército e quatro aviões F-16 para participarem em missões de policiamento da NATO nos países Bálticos.

Arquivo SIC

Fonte oficial do ministério disse à Lusa que o esquadrão de reconhecimento, composto por 140 militares do Exército, vai operar a partir da Lituânia, por um período de quatro meses, de abril a julho.

As quatro aeronaves F-16, com um número de militares da Força Aérea ainda não definido, vão estacionar na Roménia, país vizinho da Ucrânia, por um período de dois meses, maio e junho.

A fonte não apontou as datas de partida dos militares.

A NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte, NATO, na sigla em inglês) decidiu no início deste mês instalar centros de comando e controlo na Letónia, Estónia, Lituânia, Polónia, Roménia e Bulgária.

Lusa
  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".