sicnot

Perfil

País

Pentágono organiza reunião sobre base das Lajes

O Pentágono organiza, esta sexta-feira, uma reunião com funcionários do Congresso dos Estados Unidos ligados à questão da Base das Lajes, nos Açores, segundo fonte da Câmara dos Representantes norte-americana.

(AP/ Arquivo)

(AP/ Arquivo)

LIONEL CIRONNEAU / AP

"Não sabemos se vai haver nova informação. [O Pentágono] quer discutir os resultados da reunião de Lisboa e o que podem significar para as Lajes", disse fonte da Câmara dos Representantes à Lusa.

A fonte refere-se à reunião da comissão bilateral permanente Portugal/Estados Unidos, que aconteceu no início de fevereiro em Lisboa.

Segundo o Governo Regional dos Açores, a reunião resultou em orientações para se intensificarem os contatos entre Portugal e EUA, ao nível das comissões técnica e laboral, e de altos responsáveis de ambos os governos.

A próxima reunião desta comissão acontecerá entre maio e junho e terá lugar em Washington, segundo o ministério dos Negócios Estrangeiros.

A 08 de janeiro, o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Chuck Hagel, anunciou a redução de 500 efetivos da base aérea portuguesa nas Lajes. No mesmo dia, o embaixador norte-americano em Lisboa, Robert Sherman, explicou que o objetivo é reduzir gradualmente os trabalhadores portugueses de 900 para 400 pessoas ao longo deste ano e os civis e militares norte-americanos passarão de 650 para 165.

Na altura, os congressistas do Portuguese Caucus, o grupo que defende os interesses de Portugal na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, garantiram que iam continuar a lutar pela manutenção da presença americana na Base das Lajes.

"Os congressistas e senadores continuam a explorar uma variedade de opções para manter as Lajes operacional e com todos os seus funcionários", indicou à Lusa a fonte da Câmara dos Representantes.


Lusa
  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.