sicnot

Perfil

País

Aguiar-Branco diz que Costa utiliza primeiro-ministro para se afirmar no PS

O ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, acusou hoje o secretário-geral do Partido Socialista (PS) de utilizar as notícias sobre a carreira contributiva do primeiro-ministro para "se afirmar internamente num partido dividido".

O governante reagia assim, à posição do líder do PS, ao considerar hoje que o primeiro-ministro tem "usado e abusado da imunidade política" que "o senhor Presidente da República lhe ofereceu".

 "O doutor António Costa vem falar agora, porque na dificuldade que já tem demonstrado de poder afirmar-se na dimensão externa, junta-se agora na sua dificuldade de afirmação interna, perante as várias fações que constituem o Partido Socialista", disse à agência Lusa Aguiar-Branco, em Lagos, quando confrontado com as declarações do líder socialista.

Para o ministro da Defesa, o secretário-geral do PS "tem a necessidade de falar, mais para responder a essa coligação interna, do que realmente em relação a um problema".

Na opinião do governante, "o doutor António Costa, encontrou aqui uma expressão para querer ilustrar uma situação que só vale em termos de dimensão interna do seu partido", acrescentando não compreender "a posição, porque a vida do senhor primeiro-ministro é escrutinada há mais de três décadas".

"Não é de ontem nem de hoje. Quando ao fim desse tempo todo se deteta uma situação de uma divida já prescrita, que é regularizada, vemos a desproporção que é um escrutínio de 30 anos com aquele que pretende colocar hoje na ordem do dia", sublinhou.

Na opinião do ministro, as declarações do líder socialista, "visam desviar do que são os sinais positivos da economia portuguesa, do trabalho que este Governo (...) conseguiu nestes três anos, quer ao recolocar Portugal na rota do crescimento, quer na diminuição do desemprego, na afirmação de um país credível com taxas de juro mais baixas".

"Estamos numa lógica em que essas matérias visam seguramente querer desviar a atenção do essencial", concluiu.

Anteriormente, em declarações aos jornalistas à margem de um encontro sobre economia da Defesa, em Loulé, Aguiar-Branco tinha afirmado a propósito da polémica acerca da carreira contributiva do primeiro-ministro que "os portugueses sabem distinguir o que é acessório do que é principal e sabem também distinguir quando se colocam temas sistematicamente na agenda mediática para com isso fazer esquecer os verdadeiros problemas com que o país se defronta e com a ação positiva que está a acontecer".

José Pedro Aguiar-Branco deslocou-se hoje ao Algarve, onde participou na conferência "Economia da Defesa: Uma Oportunidade Estratégica para Portugal", em Loulé, culminando a o dia com uma visita ao Centro Náutico da empresa Sopromar, em Lagos.



Lusa
  • Aguiar-Branco diz que Passos Coelho é “um exemplo a seguir”
    0:41

    País

    O ministro José Pedro Aguiar-Branco veio em defesa de Pedro Passos Coelho, ao dizer que o primeiro-ministro é um exemplo por tentar prestar esclarecimentos sobre os assuntos. O ministro da Defesa referia-se, assim, ao caso das dívidas que Pedro Passos Coelho acumulou à Segurança Social entre os anos de 1999 e 2004. Aguiar-Branco comparou Pedro Passos Coelho a António Costa para dizer que o líder do PS não teve a mesma atitude quando deu por encerrada a polémica em torno das declarações que fez perante uma plateia de investidores chineses.

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Sol influencia alterações climáticas na Terra

    Mundo

    As flutuações da atividade solar têm um efeito sobre o clima da Terra, concluiu um estudo de investigadores suíços, que conseguiu, pela primeira vez, estimar a influência do Sol no aquecimento do planeta.