sicnot

Perfil

País

FENPROF admite recorrer ao Provedor de Justiça e aos tribunais por causa dos concursos

A Federação Nacional dos Professores (FENPROF) admitiu hoje a possibilidade de recorrer à Provedoria de Justiça e aos tribunais, caso persistam os problemas detetados, este ano, nos concursos de docentes que levantam dúvidas de legalidade e de constitucionalidade.

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira.

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira.

LUSA

Segundo refere a Fenprof em comunicado, os primeiros sinais relativos aos concursos deste ano são "preocupantes" e as "dúvidas" que vão surgindo levam a questionar se os concursos que "começam tortos terão condições para se endireitarem".

O primeiro "lapso" - adianta a FENPROF - verificou-se logo na chamada "portaria das vagas", que depois de retificada "viu a rectificação ser retificada".

Quanto ao regime dos concursos, apesar de o período de apresentação de candidaturas se iniciar já na segunda-feira, a FENPROF indica que são "várias as dúvidas colocadas pelos professores" relativamente a um modelo de concurso do qual a FENPROF sempre discordou, tendo feito o que estava ao seu alcance para o alterar.

Entre as diversas dúvidas, a FENPROF questiona sobre se as 1453 vagas do concurso externo foram calculadas tendo em conta os docentes que prestam serviço nas regiões autónomas e se estes docentes podem candidatar-se ao concurso, recordando que a sua exclusão do concurso externo extraordinário foi declarada inconstitucional.

A FENPROF observa ainda que também os docentes do Ministério da Educação colocados no sistema de requalificação são obrigados a concorrer ao concurso interno, mas pergunta quem são estes docentes se ainda não existe uma lista definitiva de requalificação, existindo apenas uma lista provisória constituída por 15 professores.

Estas e outras dúvidas serão colocadas pela Fenprof à Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE) já na segunda-feira, não se excluindo a possibilidade de ser exigida uma reunião com o Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar.

"Não seria tolerável que o governante se colocasse à margem dos problemas como fez, por exemplo, no início do ano letivo quando os que então surgiram atrasaram semanas a colocação de professores", conclui a FENPROF.

Lusa
  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.