sicnot

Perfil

País

Família do bebé que morreu no Hospital de Viana do Castelo apresenta queixa crime

A família do bebé de dez meses que morreu hoje no hospital de Viana do Castelo apresentou hoje à tarde uma queixa-crime no comando distrital da PSP, disse à Lusa o segundo comandante daquela força policial.

Em declarações à Lusa, a avó do menino anunciou que a família requereu a realização da autópsia para avançar com uma queixa crime, junto do Ministério Público (MP, por negligência médica.

"Vamos seguir com este caso para a frente. O meu neto morreu por negligência médica", afirmou, Maria do Céu Antunes.

Em comunicado, a Unidade de Saúde do Alto Minho ULSAM revelou a abertura "de um processo de averiguação interna para o cabal esclarecimento do ocorrido", garantindo que "todo o procedimento foi pautado por corretas atitudes clínicas". 

Segundo a ULSAM a morte da criança foi declarada hoje, às 00:01, depois de se terem "revelado infrutíferas" as manobras de reanimação realizadas "durante 30 minutos", na sequência de uma paragem cardíaca.

Adiantou que o bebé, que sofria de uma cardiopatia congénita, encontrava-se internado naquela unidade hospital.

Maria do Céu Antunes explicou que levou o neto ao hospital, quinta-feira passada, por apresentar tosse.

"A operação que lhe iam fazer ao coração já tinha sido adiada duas vezes por ele estar doente. Tinha nova cirurgia marcada para a próxima quinta-feira e por isso decide, por prevenção, levá-lo ao hospital por causa daquela tosse", explicou, adiantando que aquela operação "esteve inicialmente para janeiro, depois para fevereiro, e agora estava prevista para o dia 12 de março".

Segundo a avó, o menino deu entrada no hospital de Viana, cerca das 08:40 de quinta-feira, "com tosse mas sem febre".

"Cerca das 10:30 começou a aparecer a febre. Por sorte, o pediatra que o acompanha no hospital de Viana encontrava-se de serviço, e decidiu interná-lo", adiantou.

A avó do menino garantiu que a partir de sexta-feira " e porque a febre não cedia" a família "pediu várias vezes" para que fosse efetuada a transferência para o Hospital de São João, onde o menino era seguido devido ao seu problema de saúde.

"Na sexta-feira às 21:30 a febre continuava a não ceder e insistimos para que o transferissem para o Porto mas disseram-nos que o estado de saúde do meu neto não cumpria os requisitos para a transferência", sustentou.

No sábado, adiantou a avó, o bebé "foi transferido do serviço de pediatria para Neonatologia, no hospital da capital do Alto Minho.

"Cerca das 20:15, depois do padre do hospital o ter batizado pedimos novamente para que fizessem a transferência para o São João. O meu neto não estava nada bem. Só o começaram a preparar para seguir para o Porto cerca das 21:30. Entretanto chegou a ambulância do São João mas já era tarde", explicou a avó.

De acordo com a nota enviada à imprensa, a ULSAM explicou que se tratava de uma criança com uma cardiopatia congénita, acompanhada no Serviço de Cardiologia Pediátrica do Hospital de São João, doença que "condicionou fortemente o seu desenvolvimento ponderal e saúde, com vários episódios prévios de descompensação respiratória". 

"O presente internamento deveu-se a um quadro de pneumonia com uma evolução rápida e grave, o que motivou a decisão de transferência para a Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos do Hospital de São João", lê-se naquele documento.

Segundo aquela unidade hospitalar "o desfecho fatal ocorreu após as manobras de estabilização prévias ao transporte efetuadas pela equipa do Transporte Inter-Hospitalar pediátrico (TIP), encontrando-se o paciente com entubação endotraqueal e ligado a suporte ventilatório".

Lusa
  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.