sicnot

Perfil

País

Cavaco aponta política externa como uma das principais funções do Presidente da República

 O Presidente da República aponta a política externa como uma das principais funções do chefe de Estado, sublinhando a necessidade de coordenação e concertação com o Governo, porque "a voz de Portugal" deve ser a mesma.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

MIGUEL A. LOPES/ LUSA

"Assistiu-se neste início do século XXI, a um reforço do papel do Presidente no domínio da política externa de tal forma que esta é hoje uma das suas principais funções", refere o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, no prefácio do "Roteiros IX", publicação que reúne as suas principais intervenções do último ano.


Partindo de excertos do livro "Os Poderes do Presidente da República, especialmente em matéria de defesa e política externa", publicado pelos constitucionalistas Gomes Canotilho e Vital Moreira" em 1991, Cavaco Silva dedica o prefácio do "Roteiros IX" à diplomacia presidencial.


"Nos tempos que correm, os interesses de Portugal no plano externo só podem ser eficazmente defendidos por um Presidente da República que tenha alguma experiência no domínio da política externa e uma formação, capacidade e disponibilidade para analisar e acompanhar os 'dossiers' relevantes para o país", sublinha Cavaco Silva.


Para o reforço do papel do Presidente da República no domínio da política externa, Cavaco Silva aponta vários fatores, nomeadamente a globalização dos mercados e a intensificação da diplomacia económica.


Além disso, defende, a crise tornou mais óbvia a importância estratégica do investimento privado e das exportações para o crescimento da economia portuguesa e o combate ao desemprego, obrigando a que se estendesse a presença de Portugal a outros países.


Tal, acrescenta, exigiu contactos políticos ao mais alto nível, com o Presidente da República a reforçar "o seu papel no desempenho dessa tarefa, em coordenação com o Governo, nomeadamente durante as suas deslocações a países estrangeiros e por ocasião das visitas a Portugal de outros chefes de Estado".

Mas, nota Cavaco Silva, a diplomacia económica é apenas uma das múltiplas vertentes da política externa que o Presidente da República promove, com a crise da dívida soberana da Zona Euro, o aprofundamento da União Económica e Monetária e o programa de ajustamento a serem igualmente razões de reforço da ação presidencial no plano externo.


Recordando a sua participação ativa na construção da União Económica e Monetária Europeia e a forma como se debruçou "em profundidade" sobre a sua dinâmica, "tendo proferido múltiplas conferências no País e no estrangeiro, e até mesmo publicado dois livros", Cavaco Silva considera que "estava em condições para, nos contactos internacionais" se "pronunciar sobre as questões de política europeia e a crise do euro, defendendo as orientações que mais se adequavam aos interesses nacionais".


"Face à situação de emergência económica e financeira a que Portugal tinha chegado, houve que mobilizar toda a nossa capacidade diplomática, incluindo a ação do Presidente da República, para explicar, junto das mais variadas geografias, instituições internacionais e líderes políticos, a execução do programa de assistência financeira, em ordem a suscitar a confiança dos nossos parceiros e investidores, ganhar credibilidade no plano externo e conseguir apoios para as posições portuguesas. Fi-lo em dezenas de encontros", lembra o chefe de Estado.


Por outro lado, acrescenta, o aumento da importância das Forças Armadas como instrumento da política externa, nomeadamente através da participação em missões no exterior, é outra das razões do crescimento do papel do Presidente da República no domínio da política externa.


No texto, Cavaco Silva destaca igualmente a coordenação e concertação com o Governo que a atuação do Presidente da República no plano externo exige, de forma a assegurar "a sintonia de posições entre os dois órgãos de soberania na defesa dos interesses nacionais".



A um ano de completar o seu segundo e último mandato em Belém, Cavaco Silva deixa ainda um 'guião' sobre as "exigências acrescidas" que a diplomacia presidencial coloca hoje em dia ao Presidente da República, na era da globalização em que as relações pessoais entre os líderes político, "embora importantes, deixaram de ser por si só suficientes".


Por um lado, refere, o Presidente da República tem de ser capaz de dominar "em toda a sua complexidade as relações bilaterais com os países com que interage". Por outro lado, tem de ter um bom conhecimento dos aspetos essenciais da situação dos países com que Portugal mantém relações privilegiadas e tem de ser capaz de abordar as grandes questões de política internacional da atualidade e estar informado sobre o posicionamento dos seus interlocutores.


Lusa

  • Polémica sobre offshore intensifica guerra de palavras entre PSD e Governo
    2:39
  • DGO divulga hoje execução orçamental de janeiro

    Economia

    A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulga hoje a síntese de execução orçamental em contas públicas de janeiro, sendo que o Governo estima reduzir o défice para 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em contabilidade nacional em 2017.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.