sicnot

Perfil

País

Inspeção da Saúde segue inquérito a morte de bebé no hospital de Viana

A Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS) está a acompanhar as diligências da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) ao caso de um bebé de dez meses que morreu domingo na instituição. A criança sofria de uma cardiopatia congénita e encontrava-se internada naquela unidade hospitalar com uma pneumonia, tendo a família pedido várias vezes para transferir o bebé para o Hospital de São João, no Porto, onde este era seguido.

(LUSA/ ARQUIVO)

(LUSA/ ARQUIVO)

LUSA

A avó do bebé, Maria do Céu Antunes, disse que levou o neto ao hospital, quinta-feira passada, por apresentar tosse.

Segundo a avó, o menino deu entrada no hospital de Viana, cerca das 08:40 de quinta-feira, "com tosse mas sem febre".

"Cerca das 10:30 começou a aparecer a febre. Por sorte, o pediatra que o acompanha no hospital de Viana encontrava-se de serviço, e decidiu interná-lo", adiantou.

A avó do menino garantiu que a partir de sexta-feira, "e porque a febre não cedia", a família "pediu várias vezes" para que fosse efetuada a transferência para o Hospital de São João, onde o menino era seguido devido ao seu problema de saúde.

"Na sexta-feira às 21:30 a febre continuava a não ceder e insistimos para que o transferissem para o Porto mas disseram-nos que o estado de saúde do meu neto não cumpria os requisitos para a transferência", sustentou.

No sábado, adiantou a avó, o bebé "foi transferido do serviço de pediatria para Neonatologia, no hospital da capital do Alto Minho.

"Cerca das 20:15, depois do padre do hospital o ter batizado pedimos novamente para que fizessem a transferência para o São João. O meu neto não estava nada bem. Só o começaram a preparar para seguir para o Porto cerca das 21:30. Entretanto chegou a ambulância do São João mas já era tarde", explicou a avó.

De acordo com a nota enviada à imprensa, a ULSAM explicou que se tratava de uma criança com uma cardiopatia congénita, acompanhada no Serviço de Cardiologia Pediátrica do Hospital de São João, doença que "condicionou fortemente o seu desenvolvimento ponderal e saúde, com vários episódios prévios de descompensação respiratória". 

"O presente internamento deveu-se a um quadro de pneumonia com uma evolução rápida e grave, o que motivou a decisão de transferência para a Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos do Hospital de São João", lê-se naquele documento.

Fonte do gabinete do Ministério da Saúde disse à Lusa que a IGAS vai acompanhar as diligências que venham a ser realizadas no âmbito do procedimento de inquérito que foi instaurado pela ULSAM.



Lusa
  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32