sicnot

Perfil

País

Inspeção da Saúde segue inquérito a morte de bebé no hospital de Viana

A Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS) está a acompanhar as diligências da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) ao caso de um bebé de dez meses que morreu domingo na instituição. A criança sofria de uma cardiopatia congénita e encontrava-se internada naquela unidade hospitalar com uma pneumonia, tendo a família pedido várias vezes para transferir o bebé para o Hospital de São João, no Porto, onde este era seguido.

(LUSA/ ARQUIVO)

(LUSA/ ARQUIVO)

LUSA

A avó do bebé, Maria do Céu Antunes, disse que levou o neto ao hospital, quinta-feira passada, por apresentar tosse.

Segundo a avó, o menino deu entrada no hospital de Viana, cerca das 08:40 de quinta-feira, "com tosse mas sem febre".

"Cerca das 10:30 começou a aparecer a febre. Por sorte, o pediatra que o acompanha no hospital de Viana encontrava-se de serviço, e decidiu interná-lo", adiantou.

A avó do menino garantiu que a partir de sexta-feira, "e porque a febre não cedia", a família "pediu várias vezes" para que fosse efetuada a transferência para o Hospital de São João, onde o menino era seguido devido ao seu problema de saúde.

"Na sexta-feira às 21:30 a febre continuava a não ceder e insistimos para que o transferissem para o Porto mas disseram-nos que o estado de saúde do meu neto não cumpria os requisitos para a transferência", sustentou.

No sábado, adiantou a avó, o bebé "foi transferido do serviço de pediatria para Neonatologia, no hospital da capital do Alto Minho.

"Cerca das 20:15, depois do padre do hospital o ter batizado pedimos novamente para que fizessem a transferência para o São João. O meu neto não estava nada bem. Só o começaram a preparar para seguir para o Porto cerca das 21:30. Entretanto chegou a ambulância do São João mas já era tarde", explicou a avó.

De acordo com a nota enviada à imprensa, a ULSAM explicou que se tratava de uma criança com uma cardiopatia congénita, acompanhada no Serviço de Cardiologia Pediátrica do Hospital de São João, doença que "condicionou fortemente o seu desenvolvimento ponderal e saúde, com vários episódios prévios de descompensação respiratória". 

"O presente internamento deveu-se a um quadro de pneumonia com uma evolução rápida e grave, o que motivou a decisão de transferência para a Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos do Hospital de São João", lê-se naquele documento.

Fonte do gabinete do Ministério da Saúde disse à Lusa que a IGAS vai acompanhar as diligências que venham a ser realizadas no âmbito do procedimento de inquérito que foi instaurado pela ULSAM.



Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.