sicnot

Perfil

País

Investigação portuguesa sobre odores em crimes desperta atenção internacional

 Uma investigação feita na Universidade de Aveiro sobre a identificação de odores corporais em crimes violentos está a suscitar o interesse nos meios forenses e policiais internacionais, disse hoje fonte académica.

Reuters

O trabalho, realizado por Laura Alho no Laboratório de Psicologia Experimental e Aplicada (PsyLab) da Universidade de Aveiro (UA), despertou a atenção após a publicação na revista Plos One e levou ao estabelecimento de colaborações internacionais, nomeadamente com a investigadora Kate Houston, da Texas A&M International University (EUA), especialista em psicologia forense e colaboradora do FBI.

Os primeiros resultados experimentais revelam que uma vítima de um crime violento pode identificar o agressor pelo olfato e que a memória olfativa da vítima pode ser mais assertiva na identificação do criminoso do que a auditiva ou mesmo a visual.

Cheirar odores de criminosos ajudou os participantes no estudo a identificar corretamente 75 por cento dos agressores, percentagem que deixa à distância, por exemplo, os 45 a 60 por cento das identificações corretas alcançadas em alguns dos tradicionais testemunhos oculares. 

O trabalho de Laura Alho, orientado por Sandra Soares, Carlos Fernandes da Silva (investigadores do PsyLab) e Mats Olsson, cientista do Instituto Karolinska (Suécia), considerado um dos maiores especialistas mundiais do olfato, envolveu a participação de 80 voluntários.

Foram-lhes apresentados filmes reais de cenas de crime recolhidos por câmaras de segurança e de viaturas policiais e durante o visionamento dos filmes os participantes foram expostos continuamente a um dos odores corporais, previamente recolhido pelos investigadores entre outros 20 voluntários, com a informação de que este pertencia ao agressor envolvido na cena do crime. 

O trabalho da investigadora envolveu depois uma segunda fase, em que foram observados os procedimentos usados em trabalhos sobre testemunhos oculares, com a informação dada ao participante de que o odor podia estar ou não presente no alinhamento.

Quando questionados sobre a qual de cinco odores estiveram sujeitos durante o visionamento dos filmes, a grande maior parte dos participantes sujeitos a imagens de crime acertaram no cheiro em causa.

"Os resultados revelaram que, quando o odor alvo estava presente [no alinhamento de cinco odores dados a cheirar aos participantes] o acerto na identificação foi de 75 por cento", afirma Laura Alho. 

Apesar do testemunho ocular ser amplamente considerado em tribunais de todo o mundo, sendo conhecido como a "prova rainha", existem vários casos de indivíduos condenados injustamente através de testemunhos oculares.

A investigadora admite que o testemunho olfativo não permita, por si só, chegar a um veredicto correto, mas acredita que "se vier a ser comparado com outras modalidades sensoriais e se se vier a provar cientificamente que tem menos falsas identificações" poderá vir a ser relevante em contexto judicial. 

"Temos de ressalvar que, embora não possa ser usado como prova [porque o testemunho olfativo não está enquadrado legalmente] pode ser usado como uma pista que leva à obtenção de provas", comenta Laura Alho. 

A situação que não é nova em relatórios criminais: "em casos onde a vítima tenha contacto direto com o ofensor, como em casos de crime sexual ou de agressão física, o odor corporal deste pode ser recordado pela vítima e a sua descrição pode estreitar a lista de suspeitos. Existem vários casos nacionais e internacionais que demonstram isso". 

Apesar dos dados alcançados na UA "serem interessantes", salienta que "precisam de ser replicados noutros laboratórios e é necessário investigar a influência de determinadas variáveis no testemunho olfativo, quer em contexto laboratorial, quer em contexto real". 

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.