sicnot

Perfil

País

Chineses continuam a liderar vistos gold

Os cidadãos chineses lideram os investimentos em imobiliário em Portugal, ao abrigo do programa dos vistos 'gold', que no mês passado registou 103 autorizações de residência, segundo a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).

Na lista dos dados acumulados deste programa, 1.777 chineses tinham comprado uma casa pelo mínimo de 500 mil euros desde 2012, sendo seguidos por 74 investidores brasileiros e 70 russos, lê-se no comunicado hoje divulgado pela APEMIP.


Dos 2.203 vistos atribuídos desde 2012, 2.088 devem-se à aquisição de casas, 113 à transferência de capitais e três por criação de pelo menos 10 postos de trabalho.


 Citado no comunicado, o presidente da associação, Luís Lima, reconheceu o impacto da investigação judicial à atribuição das autorizações de residência, mas notou que a questão não teve "dimensões dramáticas".


   "É natural que tenha havido uma retração, na medida em que o impacto mediático deste escândalo foi brutal, mas sem as dimensões dramáticas de que se falou", afirmou o responsável, reportando-se à Operação Labirinto, que desmantelou uma rede de corrupção, na qual, alegadamente, participaram representantes de organismos do Estado.


Luís Lima previu que o investimento brasileiro tenha um "crescimento acentuado".


Desde a sua criação, os vistos 'gold' registaram 1,3 mil milhões de euros de investimento, com a aquisição de bens imóveis a ultrapassar os 1,2 mil milhões de euros.


A Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) tinha já hoje informado que a compra de imobiliário atingiu em fevereiro 55 milhões de euros, traduzindo um "regresso à tendência de crescimento" registada até novembro de 2014.


Em comunicado, a CPCI indicou que, no mês passado, o programa registou um total de investimentos de 62 milhões de euros, dos quais 95% correspondem à área do imobiliário.


O programa de atribuição de vistos prevê a emissão de autorizações de residência para estrangeiros, oriundos de fora do espaço Schengen, com investimentos em Portugal por um período mínimo de cinco anos.


A Assembleia da República deverá aprovar, por proposta do Governo, o alargamento do programa a investimentos à reabilitação urbana, atividades de investigação ou apoio à produção artística e cultural e a majoração dos projetos realizados em territórios de baixa densidade.


Na lista dos dados acumulados deste programa, 1.777 chineses tinham comprado uma casa pelo mínimo de 500 mil euros desde 2012, sendo seguidos por 74 investidores brasileiros e 70 russos, lê-se no comunicado hoje divulgado pela APEMIP.

Dos 2.203 vistos atribuídos desde 2012, 2.088 devem-se à aquisição de casas, 113 à transferência de capitais e três por criação de pelo menos 10 postos de trabalho.

 Citado no comunicado, o presidente da associação, Luís Lima, reconheceu o impacto da investigação judicial à atribuição das autorizações de residência, mas notou que a questão não teve "dimensões dramáticas".

   "É natural que tenha havido uma retração, na medida em que o impacto mediático deste escândalo foi brutal, mas sem as dimensões dramáticas de que se falou", afirmou o responsável, reportando-se à Operação Labirinto, que desmantelou uma rede de corrupção, na qual, alegadamente, participaram representantes de organismos do Estado.

Luís Lima previu que o investimento brasileiro tenha um "crescimento acentuado".

Desde a sua criação, os vistos 'gold' registaram 1,3 mil milhões de euros de investimento, com a aquisição de bens imóveis a ultrapassar os 1,2 mil milhões de euros.

A Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) tinha já hoje informado que a compra de imobiliário atingiu em fevereiro 55 milhões de euros, traduzindo um "regresso à tendência de crescimento" registada até novembro de 2014.

Em comunicado, a CPCI indicou que, no mês passado, o programa registou um total de investimentos de 62 milhões de euros, dos quais 95% correspondem à área do imobiliário.

O programa de atribuição de vistos prevê a emissão de autorizações de residência para estrangeiros, oriundos de fora do espaço Schengen, com investimentos em Portugal por um período mínimo de cinco anos.

A Assembleia da República deverá aprovar, por proposta do Governo, o alargamento do programa a investimentos à reabilitação urbana, atividades de investigação ou apoio à produção artística e cultural e a majoração dos projetos realizados em territórios de baixa densidade.



Lusa
  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".