sicnot

Perfil

País

Chineses continuam a liderar vistos gold

Os cidadãos chineses lideram os investimentos em imobiliário em Portugal, ao abrigo do programa dos vistos 'gold', que no mês passado registou 103 autorizações de residência, segundo a Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).

Na lista dos dados acumulados deste programa, 1.777 chineses tinham comprado uma casa pelo mínimo de 500 mil euros desde 2012, sendo seguidos por 74 investidores brasileiros e 70 russos, lê-se no comunicado hoje divulgado pela APEMIP.


Dos 2.203 vistos atribuídos desde 2012, 2.088 devem-se à aquisição de casas, 113 à transferência de capitais e três por criação de pelo menos 10 postos de trabalho.


 Citado no comunicado, o presidente da associação, Luís Lima, reconheceu o impacto da investigação judicial à atribuição das autorizações de residência, mas notou que a questão não teve "dimensões dramáticas".


   "É natural que tenha havido uma retração, na medida em que o impacto mediático deste escândalo foi brutal, mas sem as dimensões dramáticas de que se falou", afirmou o responsável, reportando-se à Operação Labirinto, que desmantelou uma rede de corrupção, na qual, alegadamente, participaram representantes de organismos do Estado.


Luís Lima previu que o investimento brasileiro tenha um "crescimento acentuado".


Desde a sua criação, os vistos 'gold' registaram 1,3 mil milhões de euros de investimento, com a aquisição de bens imóveis a ultrapassar os 1,2 mil milhões de euros.


A Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) tinha já hoje informado que a compra de imobiliário atingiu em fevereiro 55 milhões de euros, traduzindo um "regresso à tendência de crescimento" registada até novembro de 2014.


Em comunicado, a CPCI indicou que, no mês passado, o programa registou um total de investimentos de 62 milhões de euros, dos quais 95% correspondem à área do imobiliário.


O programa de atribuição de vistos prevê a emissão de autorizações de residência para estrangeiros, oriundos de fora do espaço Schengen, com investimentos em Portugal por um período mínimo de cinco anos.


A Assembleia da República deverá aprovar, por proposta do Governo, o alargamento do programa a investimentos à reabilitação urbana, atividades de investigação ou apoio à produção artística e cultural e a majoração dos projetos realizados em territórios de baixa densidade.


Na lista dos dados acumulados deste programa, 1.777 chineses tinham comprado uma casa pelo mínimo de 500 mil euros desde 2012, sendo seguidos por 74 investidores brasileiros e 70 russos, lê-se no comunicado hoje divulgado pela APEMIP.

Dos 2.203 vistos atribuídos desde 2012, 2.088 devem-se à aquisição de casas, 113 à transferência de capitais e três por criação de pelo menos 10 postos de trabalho.

 Citado no comunicado, o presidente da associação, Luís Lima, reconheceu o impacto da investigação judicial à atribuição das autorizações de residência, mas notou que a questão não teve "dimensões dramáticas".

   "É natural que tenha havido uma retração, na medida em que o impacto mediático deste escândalo foi brutal, mas sem as dimensões dramáticas de que se falou", afirmou o responsável, reportando-se à Operação Labirinto, que desmantelou uma rede de corrupção, na qual, alegadamente, participaram representantes de organismos do Estado.

Luís Lima previu que o investimento brasileiro tenha um "crescimento acentuado".

Desde a sua criação, os vistos 'gold' registaram 1,3 mil milhões de euros de investimento, com a aquisição de bens imóveis a ultrapassar os 1,2 mil milhões de euros.

A Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) tinha já hoje informado que a compra de imobiliário atingiu em fevereiro 55 milhões de euros, traduzindo um "regresso à tendência de crescimento" registada até novembro de 2014.

Em comunicado, a CPCI indicou que, no mês passado, o programa registou um total de investimentos de 62 milhões de euros, dos quais 95% correspondem à área do imobiliário.

O programa de atribuição de vistos prevê a emissão de autorizações de residência para estrangeiros, oriundos de fora do espaço Schengen, com investimentos em Portugal por um período mínimo de cinco anos.

A Assembleia da República deverá aprovar, por proposta do Governo, o alargamento do programa a investimentos à reabilitação urbana, atividades de investigação ou apoio à produção artística e cultural e a majoração dos projetos realizados em territórios de baixa densidade.



Lusa
  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Primeiro-ministro sueco "surpreendido" com as declarações de Trump
    0:53

    Mundo

    O primeiro-ministro sueco ficou surpreendido com as declarações de Donald Trump, que, no fim de semana, se referiu a um suposto ataque terrorista no país escandinavo, relacionado com a imigração. Stefan Löfven fala na responsabilidade de usar os factos correctamente e diz que é preciso verificar a informação que é divulgada.

  • Angelina emociona-se ao falar da separação de Brad Pitt
    1:25
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46