sicnot

Perfil

País

Incêndio no Hospital de Valongo provocado por doente com isqueiro é arquivado

O incêndio que deflagrou no Hospital de Valongo (Porto) em fevereiro deste ano foi originado por um doente psiquiátrico que escondeu um isqueiro na axila, mas o hospital vai arquivar o processo, disse hoje fonte hospitalar.

ESTELA SILVA

Em declarações à Lusa, João Oliveira, vogal do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de São João (ao qual pertence o Hospital de Valongo), explicou que o inquérito interno revelou que o incêndio deflagrou originado por um "doente [com problemas psiquiátricos] que tinha sido afastado num quarto individual e que teria ateado o fogo com um isqueiro escondido na axila".

Como era um doente agitado e tinha entrado em desacatos com outro, a equipa clínica decidiu colocá-lo num quarto individual, explicou João Oliveira, referindo que o problema psiquiátrico do paciente levou-o a vingar-se e alegadamente a atear fogo.

O Hospital de São João decidiu "não abrir nenhum processo-crime, porque o doente tem problemas do foro psiquiátrico e, por isso, é inimputável, avançou João Oliveira.

"Na nossa perspetiva não há matéria para isso [processo-crime], acrescentou aquele responsável, referindo, no entanto, que o inquérito interno vai ser entregue ao Ministério Público.

O Conselho de Administração do Centro Hospitalar de São João deliberou "arquivar o processo de inquérito" e "não prosseguir com qualquer outro processo", acrescentou João Oliveira, referindo que o inquérito revelou também que os profissionais "fizeram tudo o que estava definido conforme o plano de emergência e a proteção dos doentes".

O incêndio que deflagrou pelas 13:44 do dia 12 de fevereiro provocou a retirada de todos os 53 doentes do hospital de Valongo.

Os 15 doentes que foram, na altura, retirados da ala de psiquiatria foram todos transferidos para o Hospital de São João do Porto.

Durante o incêndio registaram-se três feridos ligeiros - um bombeiro com o dedo cortado e um enfermeiro e um auxiliar intoxicados com fumos.


Lusa
  • Incêndio obriga a evacuação do Hospital de Valongo
    3:11

    País

    Um incêndio na ala de psiquiatria do hospital de Valongo obrigou à evacuação do edifício. Foram retirados 53 doentes do local. Destes, 15 foram transferidos para o Hospital de São João, no porto. As chamas começaram num quarto de isolamento de psiquiatria no terceiro andar e alastraram ao piso superior. O incêndio foi extinto pelos bombeiros em 20 minutos. As causas são desconhecidas, mas as autoridades vão iniciar uma investigação.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21