sicnot

Perfil

País

Mês de fevereiro de 2015 foi "muito frio e seco"

O mês de fevereiro foi muito seco e frio tendo a temperatura máxima sido a terceira mais baixa dos últimos 15 anos, revelou hoje o Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA) no seu boletim climatológico

MIGUEL A. LOPES/ LUSA

De acordo com o relatório mensal do IPMA, o mês passado caracterizou-se como "muito frio e muito seco", tendo o valor médio da temperatura média do ar (8,73 graus) sido inferior ao valor normal em -1,35 graus.

"Valores da temperatura média inferiores aos de fevereiro de 2015 apenas ocorreram em 25% dos anos", refere o IPMA, que adianta que "o valor da temperatura máxima é o terceiro mais baixo desde 2000 e o décimo nono mais baixo dos últimos 85 anos".

No seu boletim climatológico mensal, o IPMA refere que durante o mês de fevereiro, no período de 4 a 9, verificaram-se valores muito baixos da temperatura do ar, com ocorrência de dias e noites frias. 

"O número de dias com temperatura mínima inferior a zero graus foi superior ao normal em quase todo o território", é referido.

De acordo com o IPMA, o valor médio da quantidade de precipitação em janeiro (37,2 milímetros) foi muito inferior ao valor médio (100,1 milímetros), correspondendo ao 4.º valor mais baixo desde 2000 e ao 21.º mais baixo dos últimos 85 anos.

"Os valores de precipitação mensal inferiores aos de fevereiro de 2015 apenas ocorreram em 25% dos anos", indica.

Segundo o instituto, os valores mais baixos da temperatura mínima ocorreram nas regiões do interior norte e centro, sendo de realçar o registado na Guarda: -6,3 graus Celsius (no dia 8 de fevereiro).

"Os valores da quantidade de precipitação no mês de fevereiro foram muito inferiores aos respetivos valores normais em todo o território e variaram entre 5,5 milímetros em Portel e 116,3 milímetros nas Penhas Douradas", indica o boletim.

O IPMA revela ainda no seu boletim climatológico publicado na Internet que em 28 de fevereiro de 2015 e segundo o índice meteorológico de seca, verificou-se o aparecimento da classe de seca fraca em grande parte das regiões do centro e sul e no nordeste.

  • Seca extrema agrava-se no interior alentejano, produção de trigo pode cair 40%
    6:22

    País

    A falta de chuva está a provocar prejuízos na agricultura, em especial no setor dos cereais, como o trigo que, este ano, deverá registar uma quebra de 40% na produção. O repórter Luís Godinho convidou o agricultor e professor de Ciências Agrárias na Universidade de Évora, Ricardo Freixial, para explicar os prejuízos que a seca está a provocar nas culturas e a sustentabilidade da agricultura portuguesa perante as alterações climáticas.