sicnot

Perfil

País

Passos Coelho admite vir a levantar segredo de Estado no caso das "secretas"

O primeiro-ministro, Passos Coelho, respondeu hoje ao PCP que nunca foi confrontado com um pedido de levantamento do segredo de Estado respeitante a "questões específicas" do chamado 'caso das secretas', e que se isso acontecer ponderará essa possibilidade.

Lusa

"Nunca o primeiro-ministro foi confrontado com um pedido de levantamento de segredo de Estado respeitante a questões específicas que se revelem de manifesto interesse para a defesa [dos arguidos no processo, incluindo Jorge Silva Carvalho], não sendo permitido, nos termos da lei, um levantamento genérico do segredo de Estado", respondeu Pedro Passos Coelho ao PCP.

O primeiro-ministro acrescenta, em reposta a outra pergunta, que "perante um pedido de levantamento respeitante a factos concretos, ouvido o secretário-geral e o Conselho de Fiscalização [dos serviços de informações], o primeiro-ministro ponderará, considerando, por um lado, a relevância dos factos para a defesa e a natureza desses mesmos factos e, por outro, os eventuais danos que deles possam resultar, se deverá ou não, haver lugar a levantamento do segredo de Estado".

O PCP perguntou ao chefe de Governo com que fundamento tem vindo a "indeferir os pedidos de quebra de segredo de Estado no âmbito do processo judicial em curso" e se tenciona continuar a invocar o segredo de Estado "para impedir o tribunal de aceder à descoberta da verdade quanto a situações ilegais de que os serviços de informação têm sido acusados".

Na resposta aos deputados comunistas João Oliveira e António Filipe, Pedro Passos Coelho enquadra numa estratégia de defesa do ex-diretor dos Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED), Jorge Silva Carvalho, as afirmações de que o acesso à faturação telefónica era uma prática corrente nos serviços de informações, apesar de ilegal, e feita com orientações superiores, sendo o 'modus operandi' dos serviços secretos portugueses.

"Como se salienta na questão ora colocada, as afirmações para as quais se solicita confirmação ou infirmação quanto à sua veracidade, são produzidas pela defesa num processo em que o antigo diretor do SIED é arguido, pelo que entendemos que as mesmas devem ser lidas também nesse contexto", respondeu o primeiro-ministro.

Passos Coelho acrescenta, na mesma resposta, que, "nos termos da lei, é aos diretores dos serviços do SIRP [Serviço de Informações da República Portuguesa], respetivamente SIS [Serviços de Informações e Segurança] e SIED, a quem compete assumir, no quadro das orientações emanadas pelo secretário-geral, a responsabilidade direta pela normal atividade e pelo regular funcionamento dos mesmos".

Questionado sobre as diligências que tenciona fazer para averiguar a veracidade das afirmações de Silva Carvalho, o primeiro-ministro diz que "não irá levar a cabo diligências fundadas apenas em factos invocados na estratégia de defesa dos arguidos no processo".

"Para além da atividade inspetiva do secretário-geral, os serviços são fiscalizados pelo Conselho e pela Comissão de Fiscalização de Dados do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP) que, detetando situações ilegais, não deixarão de as reportar e sugerir os procedimentos adequados", lê-se na reposta.

No final das respostas às quatro perguntas colocadas pelo PCP, Passos Coelho afirmou ainda a sua convicção "da conformidade da atuação dos serviços de informações à Constituição e à lei e o respeito pelos direitos, liberdades e garantias fundamentais" próprios de um estado de Direito democrático, ressalvando que "os serviços não são secretos", daí serem designados de serviços de informações, argumentando que, "caso assim fosse não estariam sujeitos a fiscalização externa e a inspeção interna".

Em 2012, Silva Carvalho pediu a sua desvinculação do segredo de Estado, tendo os seus advogados respondido que tal lhe foi recusado, o que consideraram uma clara violação dos direitos de defesa.

Silva Carvalho foi acusado de acesso indevido a dados pessoais, abuso de poder e violação de segredo de Estado, enquanto o presidente da Ongoing, Nuno Vasconcellos, foi acusado de corrupção ativa.


Lusa
  • Pablo Bravo: o chileno suspeito de um assalto milionário em Gaia
    6:01

    País

    As autoridades receiam um aumento da violência nos assaltos de redes sul-americanas em Portugal, à semelhança do que tem acontecido noutros países europeus. Pablo Bravo é um chileno com um longo cadastro criminal que, em Portugal, é suspeito de um assalto milionário a um hipermercado, em Gaia e, dias depois, foi detido em flagrante, em Paris, a tentar roubar uma loja de relógios de luxo.

    Notícia SIC

  • Obras para as novas instalações da SIC já começaram
    1:54

    País

    As obras do novo estúdio da SIC e SIC Notícias vão começar. A ampliação do edifício do grupo Impresa vai unir os funcionários do grupo num único espaço, com uma área de 750 metros. O Presidente da Câmara de Oeiras entregou esta terça-feira a licença de obra.

  • Cada vez mais pessoas viajam no Carnaval e Páscoa
    3:08

    Economia

    A procura de viagens na altura do Carnaval e Páscoa tem vindo a aumentar e vários destinos já estão esgotados já que muitas pessoas optam por tirar dias de férias nesta altura do ano. Em contagem decrescente, as agências de viagens não têm tido mãos a medir com promoções e ofertas para destinos variados e adequados a várias bolsas.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus pais e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Carro "desgovernado" entra em loja e atropela cliente

    Mundo

    O cliente de um mini-mercado no condado de Bronx, em Nova Iorque, sobreviveu de forma incrível ao impacto de um automóvel que entrou loja adentro. Apesar da violência das imagens, o homem sobreviveu e conseguiu mesmo sair da loja pelo próprio pé até ser transportado para o hospital.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.

  • Pulseira deixa sentir os movimentos do bebé ainda na barriga da mãe

    Mundo

    A pulseira Fibo permite que os futuros pais (ou mães) consigam sentir os seus filhos a dar pontapés ainda na barriga da mãe. Desenvolvida por um designer de joias da Dinamarca, a pulseira vai transmitir os movimentos do bebé no útero, de modo a que os pais possam partilhar essa experiência da gravidez.