sicnot

Perfil

País

PSD diz que Passos não é um "cidadão perfeito" mas é o "mais bem preparado" para primeiro-ministro

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, disse hoje que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, pode não ser "um cidadão perfeito" mas é o "o português mais bem preparado" para voltar a liderar o Governo depois das eleições legislativas.

25 de setembro: O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, promete que o primeiro-ministro responderá no dia seguinte "a todas as perguntas" no debate quinzenal, considerando que as questões relacionadas com o mandato de deputado de Passos Coelho têm um plano judicial e político

25 de setembro: O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, promete que o primeiro-ministro responderá no dia seguinte "a todas as perguntas" no debate quinzenal, considerando que as questões relacionadas com o mandato de deputado de Passos Coelho têm um plano judicial e político

LUSA

25 de setembro: O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, promete que o primeiro-ministro responderá no dia seguinte "a todas as perguntas" no debate quinzenal, considerando que as questões relacionadas com o mandato de deputado de Passos Coelho têm um plano judicial e político

25 de setembro: O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, promete que o primeiro-ministro responderá no dia seguinte "a todas as perguntas" no debate quinzenal, considerando que as questões relacionadas com o mandato de deputado de Passos Coelho têm um plano judicial e político

LUSA

"Não é um cidadão perfeito mas é o português mais bem preparado para ser primeiro-ministro nos próximos cinco anos. Saio deste debate ainda mais convencido da sua atuação enquanto primeiro-ministro", afirmou Montenegro, no debate quinzenal no parlamento, dominado pelas questões da carreira contributiva de Passos Coelho.

Luís Montenegro recorria, assim, às próprias palavras do chefe de Governo, que disse nas jornadas parlamentares do PSD que não é "um cidadão perfeito", numa referência às dívidas que acumulou à Segurança Social.

"A vontade política do parlamento representativo do povo português é clara. O Governo conta com a confiança inequívoca do parlamento e, mais do que isso, o primeiro-ministro, como garante que foi sempre e é da estabilidade, da credibilidade, da firmeza da ação política do Governo, também conta com a confiança plena do parlamento", declarou Luís Montenegro.

O presidente da bancada do PSD começou a sua intervenção no debate quinzenal sublinhando a "confiança expressa pelo apoio coeso e convicto da maioria absoluta dos deputados".

"Com as perguntas que os partidos lhe dirigiram e que o senhor primeiro-ministro respondeu, com este debate vivo, frontal, que hoje aqui travámos, o senhor primeiro-ministro prestou os esclarecimentos que eram devidos e o parlamento cumpriu as suas funções de escrutínio do Governo. Para nós, de facto, o caso está encerrado", afirmou.

"Mas não somos ingénuos. Sabemos bem que, para a oposição, os esclarecimentos nunca, nunca, serão suficientes", acrescentou, argumentando que é da "dinâmica das coisas" que a oposição tente empolar e "aproveitar esta situação".

Referindo-se a um "país diferente" de há quatro anos, Montenegro recuperou ainda as afirmações do secretário-geral do PS, António Costa, perante a comunidade chinesa, para dizer que os sociais-democratas assumem essa posição "independentemente da plateia" que têm pela frente.

"Não somos daqueles que dizem coisas diferentes perante públicos diferentes. Não trocamos convicções por conveniências", declarou.

Montenegro concentrou-se depois na situação do país, em particular na situação da saúde, argumentando que a "sustentabilidade financeira permitiu melhorias no serviço prestado às pessoas", tema e linha de argumentação que o primeiro-ministro, na resposta, seguiu.

"O Serviço Nacional de Saúde teve mais consultas, mais cirurgias, mais episódios de urgência tratados, funcionou com taxas moderadoras com mais isenções. Apesar das dificuldades, temos tido capacidade de investimento nas unidades hospitalares, apesar de termos tido que pagar mais de 2 mil milhões dos 3 mil milhões de dívidas que herdámos do PS", afirmou.



Lusa
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41