sicnot

Perfil

País

Português detido em Díli é suspeito de branqueamento de capitais, diz procurador-geral

O procurador-geral timorense, José Ximenes, disse hoje à Lusa que Tiago Guerra, um cidadão português detido preventivamente desde outubro em Díli, é suspeito do crime de branqueamento de capitais.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

LUSA

"É suspeito do crime de branqueamento de capitais. Estamos a investigar a origem dos crimes", disse José Ximenes, à margem da cerimónia de tomada de posse do diretor-geral e da diretora nacional de Finanças e Orçamento da Procuradoria-Geral.

José Ximenes explicou que, "no caso do arguido Guerra", estão em causa "factos que aconteceram em vários países".

Por isso, e escusando-se a revelar pormenores adicionais sobre o caso, explicou que já foram enviadas cartas rogatórias com pedidos de informação para Portugal e para Macau.

"Mandámos as cartas rogatórias para saber algumas informações adicionais", afirmou, sem precisar quando será formulada a acusação contra o cidadão português.

O procurador-geral falava à Lusa depois de a família de Tiago Guerra ter iniciado nas redes sociais uma campanha de sensibilização para o caso, na qual pede também que sejam enviadas cartas às autoridades timorenses.

Tiago Guerra foi detido em Díli, juntamente com a mulher, no passado dia 18 de outubro. Está atualmente em prisão preventiva na cadeia de Becora, em Díli, e a mulher, Fonf Fong Chan, está com Termo de Identidade e Residência (TIR), impossibilitada de sair de Timor-Leste.

Inês Lau, irmã de Tiago Guerra e atualmente a residir no Brasil, é um dos familiares envolvidos na campanha, tendo já enviado uma carta ao primeiro-ministro timorense, Rui Araújo, com conhecimento para o chefe de Estado timorense, Taur Matan Ruak, o chefe do Governo português, Pedro Passos Coelho, e para o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário.

Na carta, a que a Lusa teve acesso, Inês Lau manifesta preocupação pela detenção do seu irmão sem que, até ao momento, tenha sido feita qualquer acusação. 

"Até à presente data, o Tiago continua detido em prisão preventiva em Bécora e a sua mulher está com um Termo de Identidade e Residência, impossibilitada de se ausentar do país", escreveu.

"Sabendo que o Tiago, ao fim de cinco meses de detenção, ainda não foi formalmente acusado, nem tão pouco diretamente responsabilizado por qualquer crime por ele cometido, venho manifestar junto de Vossa Excelência a minha profunda preocupação pela situação do Tiago, agravada pelas insuficiências do sistema judicial de Timor-Leste", reforça.

A irmã de Tiago Guerra apela à "intervenção pessoal" do chefe do Governo timorense para "a breve resolução desta lamentável situação".

Inês Lau denuncia as condições da prisão onde se encontra o irmão, referindo que este está a partilhar uma cela com outros presos, "em débeis condições de higiene (sem água canalizada, cama ou sequer um colchão)".


Lusa
  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.