sicnot

Perfil

País

Quercus considera inadiáveis demolições na Ria Formosa

A Associação Nacional de Conservação da Natureza (QUERCUS) defendeu hoje, em comunicado, que são "inadiáveis" as demolições de casas nas ilhas-barreira da Ria Formosa, no Algarve, como forma de defesa daquele ecossistema.

Moradores da Ria Formosa protestam, em frente à Assembleia da República, contra as demolições de casas nas ilhas-barreira.

Moradores da Ria Formosa protestam, em frente à Assembleia da República, contra as demolições de casas nas ilhas-barreira.

Lusa

"Atualmente, o sistema de ilhas-barreira da Ria Formosa encontra-se em risco devido aos previsíveis efeitos das alterações climáticas, pelo que a retirada de edificações e a posterior renaturalização e alimentação do cordão dunar apresentam-se como inadiáveis", considerou a Quercus.

O projeto de renaturalização da Ria Formosa, a cargo da Sociedade Polis Litoral da Ria Formosa, aponta para a demolição de 800 construções de segunda habitação e arrancou no início de dezembro nos ilhotes dos Ramalhetes e de Cobra.

As demolições incidem sobre as ilhas-barreira dos concelhos de Faro e Olhão onde estão instaladas, em área do domínio público, comunidades que têm na sua origem famílias de pescadores da Ria Formosa e que têm contestado o processo.

Cerca de 200 pessoas manifestaram-se contra as demolições à porta da Assembleia da República a 06 de março, dia em que a maioria parlamentar do PSD/CDS-PP rejeitou três projetos de resolução da oposição que pretendiam suspender as demolições a decorrer na ria Formosa.

O argumento da defesa da Ria Formosa está, também, presente no discurso de quem é contra as demolições.

Em fevereiro deste ano, o presidente da Câmara Municipal de Olhão disse à agência Lusa que as intervenções urgentes na área da Ria Formosa são a abertura das barras, a desobstrução e limpeza dos canais e um projeto de ajuda às autarquias para resolver os casos de esgotos encaminhados para a Ria sem tratamento.

"Como é que num espaço como a Ria Formosa, que necessita de um cuidado ambiental extremo, se põe como prioridade jogar casas abaixo?", questionou.

Perante a contestação sobre o processo de demolições em curso, a Quercus sublinhou que "este representa a única situação que garante a perpetuação deste ecossistema único", cujas ilhas-barreira protegem a orla costeira e defendem bens e pessoas contra "os cada vez mais prováveis eventos catastróficos de origem natural".

Aquela associação assegurou estar a acompanhar o processo de demolições e remoção de entulhos, tendo pedido esclarecimentos à Agência Portuguesa do Ambiente para garantir que estão a ser garantidas todas as medidas de gestão de resíduos daí resultantes.


Lusa
  • 6 polícias feridos e 4 detidos em manifestação pela morte de português em Londres
    1:29

    Mundo

    A manifestação começou ainda durante a tarde deste domingo, na capital britânica e culminou em violência, com 6 polícias feridos, 4 pessoas detidas e a evacuação de uma das principais estações de transportes da zona leste da Londres.Os manifestantes acusam a polícia britânica de agressão na noite de 15 de junho, quando um português, de 25 anos, foi mandado parar pela polícia. O jovem acabou por morrer no hospital 5 dias depois.

  • Novo avião da TAP a lembrar o passado
    1:32
  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01

    País

    Um avião da TAP voltou a cruzar-se este domingo com um drone, enquanto se preparava para aterrar no aeroporto de Lisboa. A aproximação deu-se a 900 metros de altitude e passou muito perto da asa da aeronave. Este é o 10.º incidente com drones este ano e o 6.º este mês.

  • Os russos adoram Portugal
    2:48

    Taça das Confederações

    Os portugueses que foram à Rússia para a Taça das Confederações ficaram surpreendidos pela forma calorosa com que todos foram recebidos. Cristiano Ronaldo é o grande responsável por esta paixão pelo nosso país.

    Enviados SIC

  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11

    Mundo

    Um barco de turismo naufragou na Colômbia, ontem à tarde. A bordo estavam cerca de 170 passageiros. Há pelo menos seis mortos confirmados e 28 pessoas continuam desaparecidas. O barco afundou-se ao largo de uma barragem, perante o olhar incrédulo de dezenas de pessoas.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.