sicnot

Perfil

País

Utentes rejeitam privatização da Urgência do Hospital do Litoral Alentejano

As Comissões de Utentes do Litoral Alentejano manifestaram-se hoje contra uma eventual privatização da urgência do hospital sedeado em Santiago do Cacém, distrito de Setúbal, uma alternativa que a administração pondera para resolver os problemas do serviço.

(SIC/ Arquivo)

(SIC/ Arquivo)

"É inadmissível a proposta do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano [ULSLA] de privatizar o Serviço de Urgência do Hospital do Litoral Alentejano", afirmou a entidade que coordena as Comissões de Utentes da região em comunicado enviado hoje à agência Lusa.

Os utentes consideram que, "a concretizar-se", a solução iria servir para "subsidiar empresas privadas" através de dinheiros públicos, além de contribuir para "o aumento da degradação das condições já precárias do Serviço de Urgência" do hospital local, sendo as "consequências negativas" suportadas pelos profissionais de saúde e pelos utentes.

As exigências das comissões de utentes ao Governo pretendem que "seja anulada a proposta de privatização" e terminados os contratos com "todas as empresas de trabalho temporário" que prestam serviços à ULSLA, ao mesmo tempo que pedem o reforço de "recursos humanos e materiais" e a valorização das carreiras dos profissionais de saúde.

A presidente da administração da ULSLA, Maria Joaquina Matos, admitiu, há pouco mais de uma semana, externalizar a globalidade do Serviço de Urgência Médico-Cirúrgica do Hospital do Litoral Alentejano (HLA), à semelhança do que acontece em "grande parte" dos hospitais espanhóis.

Esta é uma das alternativas para resolver os problemas do serviço que têm vindo a ser discutidas na entidade desde março de 2013, mas, segundo a administradora, a proposta "não é consensual por várias razões, inclusive por interesses instalados".

Estas explicações foram dadas aos jornalistas por Maria Joaquina Matos no seguimento da recusa dos 16 chefes de equipa da Urgência do HLA em continuar a assumir o cargo, decisão que deram a conhecer ao diretor clínico, no dia 26 de fevereiro, através de um abaixo-assinado.

Os clínicos alegaram "degradação contínua das condições de trabalho, quer em termos de falta de material, quer em termos de falta de pessoal", mas a administração da ULSLA reconhece apenas a carência de recursos humanos.

A administradora lembrou que a ULSLA, que integra todos os serviços de saúde dos concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Odemira, Santiago do Cacém e Sines, precisa de 186 médicos para assegurar o atendimento da população, mas dispõe apenas de 79.


Lusa
  • Hospital do Litoral Alentejano precisa de mais 107 médicos
    0:50

    País

    O Hospital do Litoral Alentejano precisa de 186 médicos, mas só tem 79. A presidente do conselho de administração diz que é preciso criar incentivos para colocar mais profissionais em zonas distantes dos grandes centros. Maria Joaquina Matos recusa a ideia de degradação do serviço de urgência, uma acusação lançada pelos 14 chefes de equipa que apresentaram a demissão.

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.