sicnot

Perfil

País

Partículas nocivas à saúde em escolas primárias de Coimbra

Uma tese de doutoramento realizada na Universidade de Coimbra, que partiu da análise a 51 escolas primárias daquele concelho, concluiu que estas apresentam níveis muito elevados de partículas atmosféricas em suspensão, que podem criar problemas de saúde nas crianças.

SIC

Os 1.019 alunos das escolas primárias - públicas e privadas - analisadas, aquando das medições da qualidade do ar no ano letivo 2010/2011, encontravam-se expostos a níveis superiores à concentração máxima de referência (CMR) de PM2,5 (partículas atmosféricas em suspensão) e "praticamente a totalidade dos alunos" (com exceção de 35 alunos no outono/inverno) estavam expostos às PM10 (partículas inaláveis, que constituem também um elemento de poluição atmonsférica), concluiu a tese da investigadora Ana Ferreira, intitulada "Qualidade do ar interior em escolas e saúde das crianças".

As PM2,5 são as partículas presentes no ar que mais preocupam Ana Ferreira, por serem de "menor dimensão e porque, ao serem alojadas nos bronquíolos, podem causar graves problemas de saúde".

A própria Organização Mundial de Saúde considerou estas partículas como um dos poluentes "mais graves em termos de saúde pública", disse à agência Lusa a investigadora, que, no seu projeto, verificou a presença de "rinite alérgica, asma e dificuldades respiratórias" nos alunos, em salas com concentrações de partículas acima da CMR.

O estudo registou também concentrações médias de dióxido de carbono "muito acima da concentração máxima de referência" nas salas de aula, chegando, por vezes, "a ultrapassar duas a quatro vezes o valor de CMR", disse à agência Lusa a também vice-presidente da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra.

Os alunos mais expostos apresentaram "valores de falta de concentração significativamente superiores face às crianças não expostas", tendo-se também registado "a presença de dores de cabeça, tonturas e irritação das mucosas dos olhos", entre outros sinais.

Ana Ferreira registou ainda compostos orgânicos voláteis presentes nas salas e temperaturas e humidade "alteradas", face ao valor de referência.

Segundo a investigadora, o principal problema "é a falta de ventilação existente nas escolas", sendo que no outono e inverno, com as portas e janelas fechadas, "os poluentes ficam acumulados nas salas de aula".

O pavimento de madeira antigo, o uso "da vassoura em vez do aspirador" na limpeza, a degradação das infraestruturas e a utilização de quadros de giz são outros dos fatores que podem levar aos níveis registados na investigação.

A investigadora salientou que em 2013 a legislação relativa à qualidade do ar foi alterada, "abolindo-se por completo a obrigação de se certificar e auditar os edifícios", sendo "um retrocesso político grave".

"Falou-se do amianto, mas este não é o único nem o mais perigoso poluente do ar", realçou, defendendo que a autarquia deveria atuar e investir na ventilação dos edifícios, ao mesmo tempo que se deveria encetar um "trabalho de prevenção" nestes locais.

Ana Ferreira questionou também a possibilidade de, "com o aumento do número de estudantes por sala", se diminuir a qualidade do ar.

As 51 escolas públicas e privadas de Coimbra em que foi medida a qualidade do ar estão a funcionar, à exceção de Vil de Matos.

Contactada pela agência Lusa, a Câmara de Coimbra referiu que pretende ter acesso ao estudo e analisá-lo, para eventualmente, depois, tecer algumas considerações.


Lusa
  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49