sicnot

Perfil

País

Ferro Rodrigues diz que a direita está "em morte lenta mas segura"

O líder parlamentar do PS sustentou hoje que o modelo do Governo PSD/CDS "fracassou", razão pela qual defendeu que "a direita terá uma morte lenta mas segura" e que António Costa será primeiro-ministro dentro de seis meses.

Lusa

Ferro Rodrigues falava na sessão de abertura das Jornadas Parlamentares do PS em Gaia, num discurso em que disse ser "uma honra" desempenhar as funções de presidente da bancada socialista, "com a certeza que [o secretário-geral] António Costa será primeiro-ministro" dentro de seis meses.

A seguir, também em outra nota de improviso, o líder da bancada socialista rejeitou ter pessoalmente "uma visão maniqueísta" entre esquerda e direita, no sentido de que "de um lado estão os bons e do outro os maus".

"Mas há uma coisa que é óbvia: As políticas ensaiadas pela direita nestes últimos quatro anos, este modelo de estar de joelhos perante a 'troika' (Banco Central Europeu, Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia), este modelo de empobrecimento para se chegar a uma certa competitividade, este modelo falhou", sustentou.

Para Ferro Rodrigues, o modelo de austeridade "fracassou" em toda a linha.

"A direita está em morte lenta mas segura", disse, antes de defender que nos últimos quatro anos se assistiu "a um aumento dramático da pobreza, com 2,7 milhões de portugueses em risco de pobreza - um em cada quatro cidadãos".

De acordo com o presidente do Grupo Parlamentar do PS, desde o início da presente legislatura, assistiu-se "à destruição da classe média, ao ataque aos reformados e aos funcionários públicos".

"Reformados e funcionários públicos que, dispondo hoje de um rendimento mais baixo que no início de 2012, viram somar-se sobretaxas extraordinárias, alterações nos escalões de rendimento no IRS, a limitação das deduções à coleta em áreas como a saúde e habitação, a eliminação dos passes sociais para os jovens do ensino básico, secundário e superior e, mesmo, uma reforma da fiscalidade verde com uma carga adicional de impostos de 150 milhões de euros".

Uma reforma da fiscalidade verde, segundo Ferro Rodrigues, apenas "para benefício de um quociente familiar, com efeito regressivo nas famílias com descendentes ou ascendentes a cargo, que prejudica claramente aqueles com menos rendimentos".

"Quatro anos foram suficientes para impor a Portugal a maior carga fiscal de sempre, que atingirá este ano 37 por cento do PIB (Produto Interno Bruto), segundo as contas do próprio Governo. Mas os números não são apenas números. São pessoas", advogou.

Na sua intervenção, Ferro Rodrigues, que assume as funções de líder parlamentar do PS desde outubro, procurou também fazer um breve balanço da atividade da bancada socialista nesta sessão legislativa.

De acordo com o ex-ministro socialista dos governos de António Guterres, desde outubro passado, houve "uma intensa ação legislativa em paralelo com 253 perguntas e requerimentos". 

"Uma ação que passou pelas 34 propostas de alteração que apresentámos ao Orçamento do Estado para 2015 e que foram todas rejeitadas pela maioria PSD/CDS", apontou.

Para além do Orçamento do Estado, ainda segundo o balanço feito por Ferro Rodrigues, o PS apresentou 76 iniciativas legislativas: 29 projetos de lei, 42 projetos de resolução e cinco apreciações parlamentares. 

"Das iniciativas que já foram votadas, 73 por cento foram rejeitadas, quase sempre por responsabilidade exclusiva da maioria PSD/CDS. Argumentam [na maioria PSD/CDS] que as nossas propostas são socialistas. Pois bem, ainda bem que são socialistas", declarou, numa nota de esquerda que lhe valeu uma salva de palmas da plateia.







Lusa
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41