sicnot

Perfil

País

Ferro fala em "vergonha" de quem passa anos sem pagar as contribuições

O líder parlamentar do PS criticou hoje a desigualdade entre pessoas que perdem o rendimento social de inserção por questões burocráticas e outros cidadãos que passam anos sem cumprir as obrigações contributivas "e nada lhes acontece".

M\303\201RIO CRUZ

Ferro Rodrigues fez esta referência indireta ao caso da carreira contributiva do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, numa nota de improviso introduzida no seu discurso de abertura das Jornadas Parlamentares do PS, em Gaia.

Numa fase da sua intervenção em que defendia a existência de um aumento das desigualdades sociais nos últimos três anos e em que se insurgia contra os cortes nas prestações sociais, o líder parlamentar do PS disse: "É uma vergonha tantas famílias viveram numa situação de miséria e terem ficado sem direitos em matéria de rendimento social de inserção, muitas vezes por problemas burocráticos e de incapacidade de responder atempadamente a determinadas solicitações do sistema".

"Isto, quando nós vemos tantos outros exemplos de pessoas que estão anos sem cumprir as obrigações do sistema e que nada lhes acontece em nenhuma matéria", afirmou.

Uma frase de Ferro Rodrigues que motivou de imediato uma salva de palmas por parte dos deputados socialistas, antes de o presidente do Grupo Parlamentar do PS acusar também o Governo de ter desencadeado um ataque contra os reformados e contra os funcionários públicos ao longos dos últimos três anos e meio.


Lusa
  • Taxa de desemprego abaixo dos 10%

    Economia

    A taxa de desemprego em fevereiro ficou afinal nos 9,9%. O Instituto Nacional de Estatística reviu o indicador em baixa de 0,1 pontos percentuais, esta sexta-feira. É o valor mais baixo desde fevereiro de 2009.

  • "Tanolas" tem cadastro criminal e já foi condenado a pena suspensa
    0:55
  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.