sicnot

Perfil

País

PSP de Lisboa desmantela rede de assaltos a ourivesarias

Um grupo de quatro homens, entre os 21 e os 35 anos, suspeitos de pertencerem a uma rede de assaltos a ourivesarias, foi detido pela polícia, informou hoje o comando metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Segundo avançou a PSP em comunicado, a divisão de investigação criminal deteve os quatro homens na tarde de 8 de março, por suspeita de terem praticado "vários crimes de furto qualificado".

O grupo é suspeito do assalto, na madrugada de 8 de fevereiro passado, a uma ourivesaria na Avenida Almirante Reis, em Lisboa, de onde foram furtados objetos no valor de 80.000 euros, adianta a nota da PSP.

Para consumar o crime, os suspeitos introduziram-se numa casa contígua e fizeram um buraco no teto, por onde entraram no estabelecimento.

Ao longo da investigação foram reunidos indícios que permitiram imputar ao grupo "pelo menos três crimes de furto qualificado e quatro de furto simples", referiu o Cometlis.

Na altura da detenção, as autoridades efetuaram uma busca domiciliária, tendo apreendido diversos objetos furtados e várias ferramentas utilizadas para a prática dos crimes, incluindo telemóveis.

Os detidos, que têm antecedentes criminais por "inúmeros crimes de furto e de roubo", foram levados a um primeiro interrogatório judicial no Tribunal da Comarca de Lisboa e três deles ficaram em prisão preventiva.


Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.