sicnot

Perfil

País

Petição pela demissão de Passos Coelho vai ser entregue em Belém

O autor de uma petição pela demissão do primeiro-ministro, com cerca de 19.000 assinaturas, vai entregar o documento, no domingo, no Palácio de Belém, por sugestão da Assembleia da República, que se declarou incompetente "para demitir o Governo".


O engenheiro Luís Moreira, militante do BE de 52 anos, mas cuja iniciativa é a título individual, devido à polémica acerca da carreira contributiva de Pedro Passos Coelho, já recolheu cerca 19.000 assinaturas em 10 dias (quase 2.000 por dia), disse hoje à agência Lusa que vai deslocar-se a Belém, no domingo, pelas 15:00, para entregar o documento, conforme instruções dos serviços da Presidência da República.

"Falei telefonicamente e disseram-me que há sempre oficiais ou agentes de serviço. Não estou à espera de ser recebido pelo Chefe da Casa Civil, mas garantiram-me que qualquer documentação pode ser registada, rececionada e que seguirá os seus trâmites", descreveu.

A iniciativa é consequência de uma resposta da Divisão de Apoio às Comissões (Parlamentares) da Assembleia da República à missiva de segunda-feira por parte de Luís Moreira. Com a ajuda dos gestores do sítio da Internet www.peticaopublica.com, foi possível cruzar os nomes dos apoiantes com os respetivos números de identificação de cerca de 5.000 cidadãos e voltar a submeter o texto, com esse formalismo assegurado, depois de uma primeira carta em que era pedida a Assunção Esteves a discussão do tema em plenário.

"Entende-se não ser a Assembleia da República o órgão competente para apreciar a petição, visto não estar nas suas competências a demissão do primeiro-ministro", lê-se na resposta do parlamento, que não viu "qualquer vantagem na remessa da petição em causa a uma comissão (parlamentar), sendo preferível que os peticionários dirijam a sua petição diretamente ao órgão competente para demitir o Governo - o Presidente da República".

Ainda segundo o texto da AR, a petição foi enviada a todos os grupos parlamentares para, "caso o entendam, exerçam o seu poder de iniciativa, nomeadamente em termos de apresentação de uma moção de censura ao Governo".

A legislação estipula que "qualquer petição subscrita por um mínimo de 1.000 cidadãos é, obrigatoriamente, publicada no Diário da Assembleia e, se for subscrita por mais de 4.000 cidadãos, é apreciada em plenário da Assembleia", embora o texto em causa se dirija a Cavaco Silva.

Aquelas iniciativas têm de ser apreciadas pelas comissões parlamentares competentes, as quais devem produzir um relatório em 60 dias, incluindo a proposta das medidas julgadas adequadas, nomeadamente aos ministros respetivos e outras entidades.

O texto intitula-se "Demissão imediata do Primeiro-Ministro Pedro Passos Coelho" e cita ainda vários artigos da Constituição da República Portuguesa para justificar o seu objetivo.

Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.