sicnot

Perfil

País

Professores contratados manifestam-se sábado contra norma-travão na vinculação

Cerca de uma centena de professores contratados manifesta-se no sábado frente ao Ministério da Educação e Ciência (MEC), em Lisboa, contra a "tremenda injustiça" causada pela norma-travão de vinculação aos quadros, que pode originar milhares de processos judiciais.

Cerca de uma centena de professores contratados vão manifestar-se contra norma-travão na vinculação em frente ao Ministério da Educação e Ciência (MEC).

Cerca de uma centena de professores contratados vão manifestar-se contra norma-travão na vinculação em frente ao Ministério da Educação e Ciência (MEC).

Arquivo SIC

A manifestação, convocada para as 15:00 de sábado, teve origem nas redes sociais, com um grupo de professores contratados a decidir avançar para o protesto contra a norma-travão que, acusam, vai provocar uma "tremenda injustiça" ao permitir que docentes com seis ou sete anos de serviço consigam uma vinculação ao Estado, deixando de fora outros que têm mais de duas décadas de ensino.

"Sabemos que o MEC irá estar fechado, não estará ninguém para nos receber. Contudo, já temos um documento que foi enviado para o ministério e para os vários partidos e esperamos que alguém nos oiça. Sabemos que não vai estar ninguém, mas nós vamos estar lá para nos fazermos ouvir", disse à Lusa a professora Alice Maurício, da organização do protesto.

Alice Maurício é professora há 14 anos, sem qualquer interrupção contratual. No entanto, por ter tido contratos em três grupos de recrutamento diferentes -- Educação Visual e Tecnológica, entretanto extinto, 1.º ciclo do ensino básico e educação especial -- fica de fora da vinculação semiautomática introduzida pelo ministro Nuno Crato para todos os professores que completem cinco anos de serviço consecutivo.

"Há colegas que não vão vincular, porque este ano, por exemplo, não conseguiram horário completo devido à situação no início do ano letivo, com os atrasos na colocação de professores. São muitas as razões que levam os colegas a estarem desagradados com esta norma-travão" afirmou a professora.

Alice Maurício diz que os professores contratados estão disponíveis para contestar judicialmente a sua exclusão do acesso a um vínculo com o Estado, admitindo recorrer aos tribunais europeus.

Para já, mais de mil professores manifestaram a sua disponibilidade para levar o MEC a tribunal numa ação coletiva, cuja viabilidade está ainda a ser avaliada, dado que cada professor é afetado por um problema específico, referiu a docente contratada.

No entanto, e na sequência de contactos com advogados, há já a garantia de que, se não for viável avançar com uma ação coletiva, vão chegar aos tribunais portugueses mais de mil ações individuais, uma por cada professor que manifestou disponibilidade para processar o MEC.


Lusa
  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria", Reportagem Especial de hoje.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Como fugir às comissões bancárias
    7:24

    Contas Poupança

    Há muitos casos em que ter uma conta no banco está a dar prejuízo. Os juros são tão baixos e as comissões de manutenção de conta são tão altas que há portugueses que todos os meses perdem dinheiro apenas porque têm dinheiro no banco. O Contas Poupança foi à procura de alternativas.

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Produtores de maçã de Armamar dizem não ter recebido resposta do Ministério
    2:14

    País

    Os produtores de maçã de Armamar estão preocupados. Parte da produção foi destruída pelo mau tempo. Contudo, duas semanas depois, ainda não há resposta do Ministério da Agricultura aos pedidos de ajuda. Mais de 60 produtores com 800 hectares foram afetados e as árvores atingidas pelo granizo podem não conseguir produzir no próximo ano.

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.

  • Número de mortos em atentado em Cabul sobe para 31

    Mundo

    O número de mortos no atentado com um carro armadilhado atribuído aos talibãs, esta segunda-feira de manhã em Cabul, subiu para 31, aos quais se somam cerca de 40 feridos, de acordo com um novo balanço das autoridades.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34