sicnot

Perfil

País

Portugal testa a partir de hoje projeto europeu "fronteiras inteligentes"

O novo sistema de gestão de fronteiras, que permite controlar a entrada e saída de estrangeiros na União Europeia (UE), começa hoje a ser testado, pela primeira vez na UE, no aeroporto de Lisboa.

A droga e o passageiro foram entregues à Polícia Judiciária, como determina a legislação em vigor. (Arquivo)

A droga e o passageiro foram entregues à Polícia Judiciária, como determina a legislação em vigor. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Trata-se do novo conceito da UE para melhorar a mobilidade e a segurança nas fronteiras, denominado "fronteiras inteligentes" (smart bordets), que integra o Sistema de Entradas e Saídas, que permitirá registar a hora e o local de entrada e saída dos cidadãos de países terceiros que viajam para a Europa, e o Programa de Passageiros Registados, que possibilitará aos viajantes mais frequentes entrar na UE com recurso a controlos mais simplificados.

Este programa vai ser testado durante seis meses em cinco países, sendo Portugal um dos selecionados para o arranque dos testes piloto nas fronteiras aéreas, numa base de voluntariado dos passageiros de países terceiros. 

Segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), o novo registo europeu de entradas e saída de cidadãos provenientes de países terceiros contém dados biométricos e vai permitir detetar o momento da entrada na UE, mas "também sinalizar em alarme a não saída, decorrido o tempo de permanência possível dentro do espaço europeu".

Já o Programa de Passageiros Registados vai permitir que os cidadãos de países terceiros utilizem as fronteiras automáticas, no caso português, as fronteiras eletrónicas RAPID (Sistema de Controlo de Fronteiras Eletrónico), adianta o SEF.

Aquele serviço de segurança refere que o projeto tem como principais objetivos "a diminuição do tempo de passagem na fronteira, a penalização de quem não respeita os direitos de permanência, bem como o aumento da segurança nos controlos de fronteira, contribuindo para tornar a Europa num destino cada vez mais atrativo, acolhedor e seguro".

O secretário de Estado da Administração Interna, João Almeida, e o diretor da Agência da União Europeia para os sistemas informáticos de grande escala da área Justiça e Assuntos Internos (UE-Lisa), Krum Garkov, assistem, no aeroporto de Lisboa, ao início dos testes piloto do projeto europeu.

Além de Portugal, o programa "fronteiras inteligentes" vai ser também testado em aeroportos da Holanda, Alemanha, Espanha e França.

Este novo sistema destina-se à gestão de fronteiras aéreas, marítimas e terrestres.


LUSA
  • Primeiro-ministro hoje na cidade da Praia 

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, está hoje em Cabo Verde para a a IV cimeira bilateral entre Portugal e aquele país africano, aproveitando a passagem pela cidade da Praia para inaugurar a escola portuguesa.

  • Deputados britânicos debatem hoje petição que desvaloriza visita de Donald Trump

    Mundo

    Os deputados britânicos debatem hoje uma petição que reclama que a futura visita de Estado do Presidente norte-americano, Donald Trump, seja reduzida a uma visita oficial, enquanto dezenas de milhares de pessoas se manifestam sobre o mesmo assunto. Dezenas de milhares de pessoas são esperadas hoje nas ruas de várias cidades do Reino Unido, em protestos organizados para coincidir com a discussão no parlamento (na Câmara dos Comuns) de uma petição 'online' que já tem quase dois milhões de subscritores.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Matteo Renzi demite-se da liderança do Partido Democrático

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi demitiu-se hoje da liderança do Partido Democrata (PD), uma decisão que faz parte de uma estratégia para retomar o controlo da formação de centro-esquerda, onde uma minoria mais à esquerda ameaça cindir-se.