sicnot

Perfil

País

GNR deteve 179 pessoas durante o fim de semana

 A GNR deteve 179 pessoas em operações de combate à criminalidade e de fiscalização rodoviária realizadas durante o fim de semana em todo o país, indicou hoje a corporação.

(SIC/ Arquivo)

Num comunicado de divulgação dos resultados da atividade operacional do último fim de semana, a GNR adianta que 98 pessoas foram detidas por condução sob o efeito de álcool, 21 por condução sem habilitação legal, 11 por tráfico de droga, cinco por furto, uma por violência doméstica e uma por ofensas à integridade física.

Segundo a GNR, as 179 detenções decorreram de um conjunto de operações de prevenção e combate à criminalidade violenta e de fiscalização rodoviária realizadas em todo o país.

Durante o fim de semana, a GNR apreendeu também 84 doses de heroína, oito doses de cocaína, 534 doses de haxixe, dois selos de LSD, 133,8 gramas de canábis, uma arma de fogo e outra branca, sete munições e 5,5 quilogramas de artefactos pirotécnicos.

Os militares da GNR elaboraram igualmente 175 autos de notícia por detenção em flagrante delito e 2.240 autos de contraordenação.

No âmbito do trânsito, a GNR fiscalizou 7.423 condutores e detetou 2.224 infrações, designadamente 232 por condução com taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei, 1.226 excessos de velocidade, seis relativas a excesso ou deficiente acondicionamento de carga, e 17 relacionadas com tacógrafos.

Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.