sicnot

Perfil

País

Hospital de Coimbra quer liderar estudo sobre cérebro de pessoas violentas

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) celebrou hoje um protocolo com o Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (ICNAS), com o objetivo de "liderar o país" no estudo sobre o cérebro de pessoas com comportamentos violentos.

Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

O ICNAS, da Universidade de Coimbra, e o CHUC querem "estudar cientificamente o que se passa no cérebro de pessoas com tendência para o suicídio ou para a violência", passando todo o trabalho desenvolvido no CHUC em torno da violência "para o lado da ciência", disse à agência Lusa o presidente do conselho de administração, José Martins Nunes, à margem da assinatura do protocolo.

Dessa forma, foi hoje assinado um protocolo entre as duas instituições que prevê a criação de uma "Unidade Avançada de Pesquisa e Imagem do Trauma Psicogénico", para o desenvolvimento de projetos conjuntos.

O CHUC tem vindo a criar "mecanismos" e unidades em torno da violência e de situações traumáticas, aliando-se agora ao ICNAS, que desenvolve "um excelente trabalho" de investigação, sublinhou.

"Queremos liderar o país nesta questão de se perceber o que se passa no cérebro das pessoas", referiu, explanando que a investigação vai já começar com recursos próprios, sendo possível, no futuro, "envolver fundos comunitários".

Para José Martins Nunes, é fundamental tentar compreender "se há uma relação entre o cérebro" e comportamentos violentos.

Esta é uma matéria "não estudada", sendo necessário criar-se "conteúdo científico" sobre o mesmo problema, apontou o presidente do CHUC.

O ICNAS, criado em 2009, possui valências de áreas como a biologia, medicina ou física, e realiza exames médicos especializados em neurologia, cardiologia e oncologia e investigação focada nas neurociências e doenças crónicas.

Lusa
  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.