sicnot

Perfil

País

Professores dos contratados dos conservatórios aprovam greve para 9 de abril

Os professores contratados dos conservatórios públicos aprovaram hoje uma greve para 9 de abril, entre outras iniciativas, para reivindicarem a contagem do tempo de serviço, desde o início do ano letivo.

(arquivo)

(arquivo)

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os docentes alegam que foram colocados tardiamente por motivos alheios à sua vontade.

Hoje voltaram a reunir-se em frente ao Ministério da Educação, em Lisboa, e pediram audiências à tutela para tentar resolver o problema, anunciou a Federação Nacional dos Professores (Fenprof).

Do Ministério da Educação e Ciência (MEC) receberam hoje a resposta de que a situação ainda estaria "em apreciação para decisão futura".

Os professores aprovaram uma resolução em que, além da paralisação do dia 9, estão decididas vigílias e um debate sobre a possibilidade de uma greve às avaliações no terceiro período.

Em janeiro, estes professores manifestaram-se em frente às instalações do Ministério da Educação na avenida 5 de outubro, onde apresentaram os motivos do protesto.

 Para acederem ao novo regime de vinculação, os professores têm de ser contratados durante cinco anos consecutivos para um horário completo durante o ano letivo, pelo que temem uma interrupção desse ciclo, caso a contagem do tempo de serviço não corresponda ao início do ano escolar.

Este ano letivo, verificaram-se vários atrasos na colocação de professores, devido a problemas técnicos associados à plataforma de recrutamento.

"Caso até ao início do terceiro período letivo, não seja solucionado o problema, será convocada greve para dia 9 de abril, data em que se realizará, igualmente, uma vigília à porta do MEC, a partir das 10 horas e até que os professores sejam recebidos e haja um compromisso claro, no sentido de ser contado todo o ano de serviço 2014/2015", lê-se no texto divulgado pela estrutura sindical.

As ações de protesto incluem vigílias, durante uma semana, junto ao MEC, garantidas pelos docentes dos diversos conservatórios (Braga, Porto, Aveiro, Coimbra e Lisboa).

"Por razões que se desconhecem, o MEC não permitiu que as escolas tivessem, mesmo antes de 1 de setembro, efetuado a contratação dos professores, levando a que esse processo se arrastasse durante mais de um mês", frisa a Fenprof, lembrando que o problema acarreta prejuízo para os mais diversos efeitos: concursos, ingresso nos quadros (vinculação), futuro reposicionamento na carreira, remuneração e aposentação.


Lusa
  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15