sicnot

Perfil

País

Bombeiros de Chaves procuram idosa em casa destruída pelo fogo

Os bombeiros estão a procurar uma idosa de 90 anos que poderá estar no interior de uma habitação que foi consumida pelas chamas na aldeia de Faiões, em Chaves. O incêndio começou esta manhã, ainda antes das 8:00, e quando os bombeiros chegaram ao local já só conseguiram evitar que o fogo se alastrasse às habitações vizinhas.

Frederico Correia/SIC

Os familiares confirmam que a idosa se encontrava na casa, mas até ao momento decorrem ainda as operações para encontrar a mulher.

De acordo com o comandante José Lima, os bombeiros estão a proceder à consolidação das condições de segurança para que se possa entrar na habitação, suspeitando-se que a mulher se encontrava no quarto na hora em que deflagrou o fogo.

Quando chegaram ao local, de acordo com o responsável, a preocupação foi que as chamas não se propagassem às casas vizinhas.

No local estão 22 bombeiros, apoiados por sete viaturas, além de elementos do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), militares da GNR. Foi também chamada a Polícia Judiciária (PJ) para investigar as causas do fogo.

Fonte da GNR disse haver suspeitas de que a origem do incêndio possa ter estado num cobertor elétrico.


Com Lusa
  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.