sicnot

Perfil

País

Problemas com Citius "foi o que correu menos bem" na reforma judicial, admite ministra

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, afirmou esta terça-feira ser "ainda muito cedo" para fazer um balanço sobre a reforma do mapa judiciário, adiantando, contudo, que o Citius "foi o que correu menos bem".

"Foi o que correu menos bem na reforma, há que encará-lo com toda a clareza, embora as pessoas pudessem continuar a usar meios alternativos, como se sabe", disse. (Arquivo)

"Foi o que correu menos bem na reforma, há que encará-lo com toda a clareza, embora as pessoas pudessem continuar a usar meios alternativos, como se sabe", disse. (Arquivo)

Manuel Almeida / Lusa

Segundo a ministra, "é obvio que o que aconteceu foi que a equipa técnica, com toda a clareza, informou o grupo de trabalho e apresentou como se estivesse tudo pronto e assim foi".

"Foi o que correu menos bem na reforma, há que encará-lo com toda a clareza, embora as pessoas pudessem continuar a usar meios alternativos, como se sabe", disse.

Paula Teixeira da Cruz, que falava no debate "A Reforma da Justiça", promovido pela Academia de Política Apartidiária, dinamizada por estudantes da Universidade do Porto, adiantou que a nova organização judiciária permitiu já aumentar a taxa de especialização nos tribunais de 26% para 76%.

"Não podíamos ter uma pessoa a julgar crime de manhã e cível à tarde", disse, negando ainda a ideia de que com o novo mapa judiciário a justiça tenha ficado mais longe.

À saída da iniciativa, questionada pelos jornalistas sobre os problemas em torno das falhas do Citius, a ministra considerou que já não há dúvidas quanto ao que aconteceu.

"Algum dos senhores estaria apto, estando à frente da redação do vosso jornal, a resolver um problema informático se vos dissessem que estava tudo bem", questionou, adiantando que "se houver um processo" [em tribunal] o encarará "com toda a naturalidade, sempre que defenda interesses públicos".

Dois ex-técnicos do sistema informático Citius, que foram ilibados da suspeita de sabotagem daquela plataforma, apresentaram queixa por denúncia caluniosa, num caso que envolve a ministra da Justiça.

O inquérito por denúncia caluniosa de Paulo Queirós e Hugo Tavares contra a ministra da Justiça transitou para a comarca Lisboa Norte, porque a diretora do DIAP de Lisboa é testemunha no processo.

 Em resposta à agência Lusa, a Procuradoria-Geral da República indicou na semana passada que a queixa de Paulo Queirós e Hugo Tavares, contra Paula Teixeira da Cruz, deu entrada no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, tendo o inquérito sido remetido para a comarca Lisboa Norte, dado que a diretora daquele departamento, Maria José Morgado, é indicada como testemunha.

"Estes factos levaram a diretora do DIAP de Lisboa a suscitar, perante a procuradora-geral distrital de Lisboa, um pedido de escusa e impedimento, propondo a redistribuição do processo ao Ministério Público da comarca mais próxima", refere a resposta da PGR.

Lusa
  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.