sicnot

Perfil

País

EUA já entregaram mapa de instalações que vão manter nas Lajes

O ministro da Defesa informou esta quinta-feira os deputados do Parlamento açoriano de que os EUA já entregaram a Portugal um "mapa indicativo" das instalações que pretendem continuar a usar nas Lajes após a diminuição do contingente que ali têm.

Esta informação foi dada à Lusa por Francisco Coelho, presidente da comissão de Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho da Assembleia Legislativa dos Açores, que hoje se reuniu em Lisboa com os ministros da Defesa, Aguiar Branco, e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, para abordar temas relacionados com a base das Lajes.

Segundo Francisco Coelho, o ministro Aguiar Branco informou os deputados açorianos de que os militares dos Estados Unidos já entregaram às autoridades portuguesas um "mapa indicativo" das instalações que pretendem continuar a usar na ilha Terceira e das que estão dispostos a ceder a Portugal.

A Força Aérea Portuguesa está agora a analisar esse mapa, para emitir um parecer, disse ainda Aguiar Branco, segundo Francisco Coelho, que acrescentou que os deputados foram também informados de que não há ainda uma data concreta para a próxima reunião bilateral entre os dois países, mas que, à partida, deverá ser agendada para junho.

O deputado açoriano disse que a comissão parlamentar reiterou junto dos dois ministros a necessidade de a utilização de instalações nas Lajes pelos EUA não inviabilizar o aumento da utilização de infraestruturas da Terceira para fins civis, solicitando que isso seja levado em conta nas negociações com Washington.

Os deputados dos Açores pediram também que nas negociações seja enfatizada a importância de serem garantidas compensações para a Terceira por causa da redução norte-americana, atendendo ao impacto socioeconómico e ambiental que tem na ilha.

Além disso, a comissão parlamentar açoriana pediu para o grupo de trabalho criado pelo Governo da República com o objetivo de pensar medidas que atenuem o impacto da decisão norte-americana na Terceira produzir resultados com rapidez.

A Comissão de Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho da Assembleia Legislativa dos Açores pediu esta reunião aos dois ministros no âmbito da apreciação de uma proposta do BE relacionada com o processo de descontaminação de aquíferos e terrenos no concelho da Praia da Vitória, por parte dos EUA, que são os responsáveis pelo problema, que está associado ao armazenamento e transporte de combustíveis da base das Lajes.

Os trabalhos de descontaminação foram iniciados em setembro de 2012 pela Força Aérea dos Estados Unidos da América.

Segundo Francisco Coelho, a reunião de hoje serviu para fazer um "ponto de situação" sobre esta questão e "chamar a atenção" dos ministros para "a necessidade" de este ser um "processo longo e moroso" e de ser garantido o cumprimento do "princípio do poluidor/pagador".

Os deputados dos Açores vincaram ainda a importância de a questão ser um dossiê importante nas negociações com os EUA, que deixam na Terceira uma pegada ambiental com mais de sessenta anos que tem de ser recuperada.
Lusa
  • 105 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.