sicnot

Perfil

País

Guardas prisionais marcam nova greve e vigílias para abril

O Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) anunciou esta quinta-feira a realização de uma nova greve, entre 2 e 7 de abril, e uma vigília junto ao Ministério das Finanças para 16 de abril.

Esta será quarta vigília e do sexto período de greve que os guardas prisionais realizam desde março no âmbito dos protestos que estão a realizar para exigir a aplicação do estatuto profissional aprovado há mais de um ano, mas que ainda não foi aplicado. (Arquivo)

Esta será quarta vigília e do sexto período de greve que os guardas prisionais realizam desde março no âmbito dos protestos que estão a realizar para exigir a aplicação do estatuto profissional aprovado há mais de um ano, mas que ainda não foi aplicado. (Arquivo)

LUSA

O anúncio dos novos protestos foram feitos após o sindicato ter realizado hoje uma vigília, junto à casa civil do presidente da República, no âmbito da contestação que estão realizar para exigir a aplicação do estatuto profissional, que entrou em vigor há mais de um ano.

O presidente do SNCGP, Jorge Alves, disse à agência Lusa que a greve vai começar às 19:00 de 2 de abril e termina às 10:00 de 07 de abril, estando a vigília para o Ministério da Finanças marcada para as 11:00 de 16 de abril.

Jorge Alves adiantou que os guardas prisionais querem exigir à ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que desbloqueie o orçamento necessário para as promoções e novos níveis remuneratórios.

Na semana passada, o SNCGP realizou outras duas vigílias em frente à Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) e do Ministério da Justiça, além de estarem, desde 02 de março, em greve aos turnos da noite e aos fins de semana, paralisação que se prolonga até 01 de abril.

O SNCGP tem também marcado para 24 e 25 de março uma greve total.

Em causa está a regulamentação do horário de trabalho, progressões nas carreiras e aprovação dos novos níveis remuneratórios, pontos previstos no estatuto profissional do corpo da guarda prisional, que entrou em vigor há mais de ano, mas ainda não foi posto em prática.

Os guardas prisionais exigem também o pagamento do subsídio de turno a todos os profissionais que efetuam serviço no período noturno.

Dados oficiais indicam que existem cerca de 14 mil reclusos nas prisões portuguesas, que têm uma taxa de sobrelotação de mais de 2 mil lugares.
Lusa
  • Benefícios fiscais trouxeram a Portugal 10 mil estrangeiros em 2015

    Economia

    Os benefícios fiscais em Portugal atraíram mais de 10 mil estrangeiros no ano passado. A maioria vem com o estatuto de residente não habitual, que dá isenção total de IRS aos reformados por dez anos e 20% de isenção no imposto para profissionais que estiverem ligados a atividades de valor acrescentado como Psicologia, Investigação ou Medicina.

  • Primeiro-ministro hoje na cidade da Praia 

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, está hoje em Cabo Verde para a a IV cimeira bilateral entre Portugal e aquele país africano, aproveitando a passagem pela cidade da Praia para inaugurar a escola portuguesa.

  • Deputados britânicos debatem hoje petição que desvaloriza visita de Donald Trump

    Mundo

    Os deputados britânicos debatem hoje uma petição que reclama que a futura visita de Estado do Presidente norte-americano, Donald Trump, seja reduzida a uma visita oficial, enquanto dezenas de milhares de pessoas se manifestam sobre o mesmo assunto. Dezenas de milhares de pessoas são esperadas hoje nas ruas de várias cidades do Reino Unido, em protestos organizados para coincidir com a discussão no parlamento (na Câmara dos Comuns) de uma petição 'online' que já tem quase dois milhões de subscritores.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Matteo Renzi demite-se da liderança do Partido Democrático

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi demitiu-se hoje da liderança do Partido Democrata (PD), uma decisão que faz parte de uma estratégia para retomar o controlo da formação de centro-esquerda, onde uma minoria mais à esquerda ameaça cindir-se.