sicnot

Perfil

País

Hospitais atribuíram pulseira amarela a 20% dos doentes com enfarte

Dois em cada dez pacientes que se dirigiram a um hospital com sintomas de enfarte no ano passado viram-lhes atribuída pulseira amarela e tiveram que esperar mais tempo do que o desejável, por erro na Triagem de Manchester. 

(LUSA/ ARQUIVO)

(LUSA/ ARQUIVO)

LUSA

Esta é uma das conclusões do balanço de três anos de atividade do Stent For Life, a serem hoje apresentadas, num encontro onde serão também debatidos os desafios da Saúde em geral, e nesta área do Enfarte Agudo do Miocárdio, em particular.

 

Segundo Hélder Pereira, presidente da Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC), que apoia em Portugal a iniciativa Stent For Life, a dificuldade em detetar os sintomas de enfarte é uma das principais causas de atraso no atendimento e intervenção nestes doentes.

 

Por um lado, verifica-se um atraso do próprio doente -- em particular mulheres e idosos -- que tende a dirigir-se pelo seu pé para uma unidade de saúde que não pratique angioplastia primária, ou que, quando os sintomas surgem de noite, espera pela manhã seguinte.

 

Por outro lado, há atrasos relacionados com o sistema, "em que melhorámos mas ainda estamos longe dos objetivos, pois continuamos a ter um tempo muito prolongado de espera na transferência entre unidades de saúde [mediana de duas horas], quando o doente se dirige para um hospital geral e tem de ser transportado para um hospital com cardiologia de intervenção".

 

Outra consequência é o risco de uma análise errada na triagem.

 

"O sistema de Manchester comporta sempre um erro. Se um doente entra num hospital geral com dor abdominal superior (estômago) e vómitos, o algoritmo pode não apontar para enfarte e fica com pulseira amarela. Isto aconteceu em mais de 20% [21,6%] dos casos em 2014", disse Hélder Pereira.

 

Neste aspeto, o responsável acredita que a norma da Direção-Geral da Saúde publicada no dia 6 de março "vai ajudar", pois prevê que perante uma dor torácica seja sempre realizado um eletrocardiograma.

 

O desejável, explica Hélder Pereira, é que o paciente, perante uma dor torácica, ligue imediatamente para o 112, para ser transportado pelo INEM para um hospital com angioplastia primária, onde lhe será imediatamente efetuado um eletrocardiograma e detetada a presença, ou não, de um enfarte e realizada a angioplastia primária, se for o caso.

 

Nesta matéria "tem havido uma evolução positiva do número de angioplastias primárias, já ultrapassámos as 300, que é um número razoável para os países do sul da Europa", explicou.

 

Este número traduz perto de uma centena de angioplastias primárias a mais realizadas, quando comparadas com as de 2011 [201], ano em que arrancou o projeto Stent For Life.

 

No ano passado, 37% dos doentes com sintomas de enfarte chamaram o INEM, valor que se mantém semelhante ao de há três anos atrás, mas o número de pacientes que foram para hospitais sem cardiologia de intervenção desceu consideravelmente, de 62% para 46%.

 

Neste balanço é ainda apontada uma fragilidade ao nível das redes hospitalares da zona Centro do país, onde se verificam os maiores atrasos no tratamento destes doentes, por culpa do sistema.

 

"Toda a zona da Guarda, Covilhã e Castelo Branco têm este problema e é um tempo importante que se perde, porque os doentes  têm que ser transportados para Coimbra ou Viseu", as únicas localidades na zona com cardiologia de intervenção, explicou.

 

Em relação a esta realidade, Hélder Pereira é da opinião de que "provavelmente faria sentido um centro de cardiologia de intervenção na Covilhã. Ainda por cima, temos lá uma faculdade de medicina. Faz sentido, do ponto de vista académico e do atendimento das pessoas".


Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.