sicnot

Perfil

País

Professores do Superior pediram fim da precariedade frente ao Ministério

Pouco mais de duas dezenas de professores do Ensino Superior manifestaram-se esta sexta-feira frente ao Ministério da Educação para exigir "uma pequena medida para corrigir um grande erro": a aplicação de uma diretiva comunitária que poria fim à precariedade.

Frente ao Ministério, em Lisboa, quase todos os professores do ensino superior e investigadores que hoje ali se concentraram levavam um cartaz com um pedido para o ministro Nuno Crato: "uma pequena medida para corrigir um grande erro". (Arquivo)

Frente ao Ministério, em Lisboa, quase todos os professores do ensino superior e investigadores que hoje ali se concentraram levavam um cartaz com um pedido para o ministro Nuno Crato: "uma pequena medida para corrigir um grande erro". (Arquivo)

LUSA

Frente ao Ministério, em Lisboa, quase todos os professores do ensino superior e investigadores que hoje ali se concentraram levavam um cartaz com um pedido para o ministro Nuno Crato: "uma pequena medida para corrigir um grande erro".

A "pequena medida" seria a aplicação ao ensino superior da diretiva comunitária que obriga o Estado português a integrar nos quadros da função pública os professores com pelo menos quatro contratos e que, ainda que não exatamente como era exigido pela Comissão Europeia, já é desde este ano aplicada aos docentes do ensino básico e secundário.

O "grande erro" é a situação de precariedade de décadas que estes professores e investigadores vivem, sem que consigam vincular-se aos quadros das instituições onde lecionam.

"Sinto-me frágil, completamente frágil, com este Governo que recusa aceitar um decreto de 1999 da União Europeia que nega a possibilidade de contratar pessoas sistematicamente com contratos temporários para trabalhos permanentes. Eu não sei como este Governo interpreta 30 anos de serviço, mas a mim cheira-me a relativamente permanente", disse à Lusa o professor universitário John Havelda. 

A lecionar na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra desde 1985, há 30 anos que este professor inglês acumula contratos sucessivos em funções permanentes, "a tentar educar o país".

"Esta precariedade está a ficar, basicamente, insuportável, porque os contratos eram de três em três anos e agora mudou para um contrato anual. Ou seja, depois de 30 anos não tenho nenhuma estabilidade no emprego. Isto não se faz", criticou.

A manifestação foi convocada pela Federação Nacional de Professores (Fenprof), que aproveitou o momento para entregar mais de uma centena de requerimentos em nome individual de docentes que consideram que a diretiva comunitária devia ser aplicada no seu caso, mas também para exigir o alargamento do período transitório para os docentes dos politécnicos completarem os seus doutoramentos, um grau académico que passa a ser exigido a partir do próximo ano para lecionar no ensino superior.

Segundo o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, serão cerca de 600 os professores que podem ficar sem emprego até ao final do ano.

"O que esperamos dos requerimentos é que o ministério dê resposta positiva, ou, não a dando, que a fundamente. Precisamos da fundamentação da recusa para poder avançar com as ações nos tribunais. Estes requerimentos têm também esse sentido: no caso de serem indeferidos serão o documento que levará a apresentar uma queixa em tribunal", declarou Mário Nogueira.

O Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) juntou-se hoje ao protesto da Fenprof, partilhando as mesmas reivindicações, considerando o seu presidente, António Vicente, que, "por maioria de razão", a diretiva que já se aplica ao básico e secundário deveria aplicar-se também ao ensino superior.

António Vicente adiantou ainda que o sindicato vai avançar com uma queixa à Comissão Europeia.

"A queixa está praticamente ultimada, estamos apenas a recolher informações factuais de casos concretos para podermos juntar na queixa. Contamos na primeira quinzena de abril entregar a queixa na Comissão Europeia. Neste momento, temos já centenas de casos concretos", disse.
Lusa
  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.