sicnot

Perfil

País

Crise chegou às esmolas e aos peditórios nas igrejas

A crise económica chegou às caixas de esmolas e peditórios nas igrejas portuguesas, que adotaram medidas de "contenção" e "redução de despesas", havendo até párocos a "congelar" os seus salários nos Açores e no Alentejo.

© Nikola Solic / Reuters

Este é o retrato feito à agência Lusa por responsáveis de dez dioceses, onde, apesar das dificuldades, a população mantém o "espirito de missão", na descrição do cónego Fernando Monteiro, da diocese de Braga.

Se é um facto que as paróquias se adaptaram à crise, os termos "contenção" e "redução de despesas" também entraram no discurso de quem administra as dioceses, como acontece na de Coimbra, nas palavras do seu administrador, diácono Luís Loulé.

Valores anuais de recolha de donativos, contributos, peditórios ou esmolas não existem, mas são várias as dioceses a fazer estimativas -- quebras de 5% a 10% em Braga, 10% em Coimbra. Em Lisboa, na paróquia de Campo Grande, por exemplo, a diminuição das receitas rondará 30%.

Os salários não são considerados abertamente um problema pela hierarquia da Igreja e as respostas são cuidadosas, mas as paróquias adaptam-se aos novos tempos.

Em Braga, e apesar da queda de receitas, não há casos de paróquias com necessidade de recorrer ao fundo diocesano para o pagamento de salários a párocos. 

"Recorrem sim, principalmente, para obras nas igrejas", afirmou à Lusa o cónego Fernando Monteiro, um dos responsáveis pela diocese.

Uma fonte da diocese de Portalegre e Castelo Branco disse à Lusa que, naquela área, "não tem havido particular problema" quanto à remuneração dos padres, mas admitem alguns casos.

"Cada sacerdote vê a sua remuneração ser composta com a comparticipação de várias paróquias que, em razão da sua baixa população, começam a ter dificuldade em contribuir regularmente com a sua parte na dita remuneração", afirmou a mesma fonte. 

E os próprios contributos dos fiéis na diocese têm vindo a diminuir nos últimos dois anos, embora seja uma situação "pouco acentuada" nas zonas rurais e "mais acentuada" nas zonas urbanas, acrescentou a mesma fonte.

No Alentejo, a arquidiocese de Évora regista, desde a entrada em vigor do euro, em 2002, uma diminuição das "esmolas" nas missas dominicais, mas os anos de austeridade "não significaram necessariamente um agravamento", disse o vigário-geral, Eduardo Pereira da Silva.

Nos últimos anos, "os contributos não acompanharam o aumento do custo de vida", o que faz com que as despesas da arquidiocese tenham aumentado e as receitas diminuído ou mantido o mesmo nível, disse.

A redução de projetos diocesanos e o congelamento dos vencimentos dos sacerdotes foram duas das medidas tomadas para "evitar a rutura do sistema", uma vez que "os contributos das paróquias para o fundo diocesano de sustentação do clero têm diminuído", referiu.

Já em Beja, segundo o bispo António Vitalino Dantas, "nos últimos três anos, tem havido uma pequena diminuição nas coletas das missas", que "sempre foram pequenas", porque "a maioria das pessoas sempre colocou uma pequena moeda no prato das esmolas" e são "poucas" as que colocam uma nota e "quase sempre apenas de cinco euros".

Entre as esmolas anteriores e as atuais "a diferença é pouca" e a coleta das missas "nunca deu para o sustento do pároco, nem para outros encargos das paróquias", frisou.

A diminuição das esmolas não tem posto em causa projetos ou obras sociais da Diocese de Beja, porque "não provém das coletas nas missas, mas de outros apelos à generosidade das pessoas e há vários ofertórios anuais para determinados fins da Igreja", como a Caritas, explicou.

Mais a Norte, em Braga, sentiu-se a diminuição dos donativos. "É transversal. As pessoas têm menos dinheiro, logo não conseguem dar o mesmo que davam antes", explicou o cónego Fernando Monteiro, dando como exemplo a quebra da receita com os casamentos, cada vez menos.

Em Trás-os-Montes, o cenário é o mesmo e a culpa é também da perda de população, como admitiu à Lusa o bispo de Bragança-Miranda, José Cordeiro.

"Nos últimos cinquenta anos perdemos quase metade da população. É confrangedor olhar a realidade e aquilo que acontece em cada ano aqui no nosso território", disse o bispo.

Nos Açores, a diocese de Angra admite "uma diminuição" das ofertas dos fiéis devido à crise.

Segundo uma fonte da diocese, nos últimos tempos foram revistas "algumas situações que apresentavam despesa, na tentativa de controlar custos e ter como prioridade o que é essencial", garantindo a execução dos "projetos mais importantes".

E foi nos Açores que, "em algumas situações, o pároco optou por baixar o seu vencimento e outros optaram por prescindir na totalidade", segundo a mesma fonte.

Em Coimbra, só se começou a notar a diminuição nos contributos dos fiéis a partir de 2013, afirmou o administrador da diocese, diácono Luís Loulé, estimando que a quebra se situe nos 10%. 

Luís Loulé admite "alguma contenção" e "redução nas despesas", mas garantiu que nada disto vai "desfigurar o objetivo da diocese e a sua função".

A crise é notada também em Viseu, onde o bispo, Ilídio Leandro, confessou à Lusa sentir isso mesmo. "Sentem os párocos e sinto eu e é perfeitamente justificável que isso aconteça, porque as pessoas têm menos possibilidades e muitas estão desempregadas", disse.


Lusa
  • Morreu o vocalista da banda Linkin Park

    Cultura

    Um dos vocalistas da banda de metal alternativo Linkin Park, Chester Bennington, morreu, em casa, numa cidade do condado de Los Angeles, aos 41 anos. Chester Bennington ter-se-á suicidado, de acordo com a plataforma TMZ. O músico juntou-se aos Linkin Park em 1999, três anos após a formação da banda, que editou o seu álbum de estreia, "Hybrid Theory", em 2000. O disco, do qual fazem parte temas como "In the End", "Crawling" e "One Step Closer", vendeu dez milhões de cópias só nos Estados Unidos.

  • O perfil do novo herói do surf português
    3:43
  • "Temos de melhorar o sistema de prevenção e combate dos incêndios"
    18:07

    País

    O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias, desta quinta-feira. Em análise esteve o chumbo do PCP na criação de um banco nacional de terras, a reforma da floresta em Portugal, as falhas no sistema de comunicação do SIRESP, a lei da rolha nos bombeiros, a seca no país e ainda a pesca da sardinha, que poderá vir a ser proibida durante 15 anos. 

    Entrevista SIC Notícias

  • CGTP acusa PT de ilegalidades no dia da greve
    0:46

    Economia

    A CGTP pede a intervenção do Governo na PT. Esta quinta-feira, na SIC Notícias, Arménio Carlos acusou a empresa de estar a cometer mais uma ilegalidade, ao ter requisitado trabalhadores para cumprir serviços mínimos uma semana antes do permitido por lei.

  • Altice responde a António Costa
    1:33

    Economia

    A Altice respondeu ao Governo, na sequência das críticas de António Costa, lamentando que Portugal não reconheça a importância dos investimentos que o grupo faz no país. A dona da PT inaugurou esta quinta-feira um novo call center em Vieira do Minho e, na sexta-feira, está marcada uma greve geral dos trabalhadores da PT.

  • Protesto dos enfermeiros é "ilegal"
    2:37
  • O que resta do navio de salvamento mais famoso de Portugal?
    15:26

    Aqui há História

    Os baixios da barra do Tejo já foram cemitério de centenas de embarcações. Uma delas foi o Patrão Lopes, o navio de salvamento que saía para o mar quando todos fugiam das tempestades. Foram cinco dias em agonia até naufragar no Bugio, num caso que acabou na barra do tribunal. 80 anos depois, a SIC mergulhou no Patrão Lopes porque "Aqui Há História".

  • Sismo de magnitude 6.9 na Turquia

    Mundo

    Um forte sismo com magnitude 6.9 na escala de Richter fez-se sentir esta quinta-feira a sul da cidade turca de Bodrum. A informação foi avançada pela agência norte-americana de Geologia.