sicnot

Perfil

País

Dirigente do Syriza acusa Passos e Rajoy de serem aliados do governo alemão

O dirigente grego do Syriza Costas Zachariadis acusou hoje o primeiro-ministro português de ser "um aliado do governo alemão", num discurso em que advertiu que o fim da austeridade na Grécia "é definitivo e irreversível".

© Alkis Konstantinidis / Reuter

Este membro da direção do partido da esquerda radical grego Syriza, que governa a Grécia em coligação com o partido da direita nacionalista, discursava num comício organizado pelo Bloco de Esquerda (BE) contra a austeridade, no Fórum Lisboa, junto à Avenida de Roma.

Zachariadis afirmou que a Grécia "permanece numa situação desesperante" e que enfrentar problemas na economia, de precariedade e pobreza é "uma tarefa longe de ser fácil", apontando como prioridade uma reestruturação da dívida e a aplicação de reformas "que acabem com as injustiças" e "respondam à crise humanitária".

"Temos de substituir o círculo vicioso da dívida e a miopia política pela ousadia, precisamos de ter manobra orçamental para organizar a economia", alegou.

O dirigente político grego alertou que "mesmo eliminando a totalidade da dívida", esta "voltaria a crescer" se não foram eliminadas "as suas origens" e defendeu ser preciso "um contrato para a recuperação e o crescimento"que assegure "um modelo sustentável do ponto de vista económico".

Costas Zachairidis referiu ainda que "a reforma do setor público" grego "é muito difícil" e que o desafio passa por alcançar "uma administração local e regional mais eficiente", com maior eficácia energética e ambiental, acusando depois Pedro Passos Coelho e o líder do executivo espanhol, Mariano Rajoy, de serem "aliados do governo alemão"numa "ofensiva para evitar estas exigências" da Grécia.

"Têm pesadelos em acabar como o seu fantoche preferido, [ex-primeiro-ministro grego] Samaras, porque compreendem a importância das eleições em Espanha em novembro e do Sinn Féin [Irlanda]", continuou. 

Antes, o dirigente espanhol do Podemos Rafael Mayoral apelou à mobilização contra os que procuram na Europa "acabar com a moral de vitória" do seus partido e do Syriza e impor aos países "o reino da tristeza", que se "aceite a pobreza e que não se diga, nem se faça nada".

"Este é o momento dos povos do sul e de uma vez por todas conquistarmos a alegria e o futuro", afirmou.

Em termos políticos, Mayoral afirmou que o Podemos não está à esquerda nem à direita, os "lugares onde querem colocar sempre governos coloniais ao serviço de Merkel", mas é "uma força política dos debaixo, da gente trabalhadora".

"Nós queremos ser os carteiros do povo, dar uma resposta à desigualdade, queremos soberania e governos que se ponham de pé, que defendam o seu povo, é isso que queremos no governo", acrescentou.

"Este é o momento de dar a volta, dos povos do sul da Europa se porem de pé para que a Declaração Universal dos Direitos Humanos seja uma realidade e um programa político", concluiu o espanhol.

Lusa
  • Espanha não é responsável pelas promessas falhadas do Syriza, diz Rajoy
    1:31

    Crise na Grécia

    Espanha recusa ser responsabilizada pla frustração grega e plas promessas que o Syriza sabia que não podia cumprir.Num discurso de pré-campanha eleitoral pelo PP, em Sevilha, Mariano Rajoy avisou Atenas que procurar inimigos fora de portas é um truque recorrente, que não resolve os problemas gregos. Rajoy não falou da carta que terá sido enviada este domingo a Bruxelas, mas lembrou que as decisões têm sido tomadas em unanimidade na Europa e que a Grécia contou com os votos de Portugal e de Espanha.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC